Aguarde...
ON Run

onrun

Pesquisas mostram qual é a influência dos tênis para corrida

Estudos explicam como os tênis para corrida podem influenciar no desempenho do atleta

| Especial para o ON Run

Pesquisas mostram qual é a influência dos tênis para corrida. Crédito: Divulgação Canva

Quando o assunto é a influência do tênis no desempenho e no índice de lesões do corredor, os pesquisadores Lieberman et. al (2012) e Rixe et al. (2012) mostram que os tênis de corrida modernos que possuem um amortecimento elevado no calcanhar, apoio para o arco plantar e uma entressola rígida, foram desenvolvidos apenas na década de 1970, até o ano de 2012. Aproximadamente 75% dos corredores que usam tênis tradicionais atacam o solo em retro pé (calcanhar) mas, a maioria dos corredores descalços ou que utilizam tênis minimalistas atacam com meio do pé ou ante pé.  

Os corredores descalços ou de tênis minimalistas tendem a atacar de ante pé quando estão correndo em superfícies duras ou ásperas por causa do impacto, o que pode ser doloroso. Os pesquisadores consideraram que correr com tênis minimalistas ou descalços era mais eficiente que correr com tênis tradicionais. Em relação às lesões, é sugerido que correr com tênis minimalistas pode reduzir o risco de lesões por "suavizar" a aterrissagem.   


Recentemente, o autor Bell et. al (2020) nos mostraram que até a data da pesquisa não havia nenhum estudo comprovando a redução do índice de lesões em corredores que com tênis minimalistas. Por essa razão, os autores compararam as estruturas intrínsecas do pé de corredores experientes, que utilizavam tênis minimalistas com os que utilizavam tênis tradicionais.  

Os resultados sugerem que correr com tênis minimalista aumentam as chances de lesões nas estruturas examinadas, confirmando o estudo realizado por Izquierdo-Renau et al. (2020).   

Outro fator importante na hora de escolher o tênis para correr é a rigidez torcional do calçado, cujo estudo de Helton et al. (2019) mostra que: tênis com rigidez torcional lateral moderada (moderadamente flexíveis) podem ser adequados na redução do risco de lesão dos membros inferiores, já os que possuem rigidez torcional lateral mínima (pouco flexíveis), devem ser evitados para prática de corrida. Levando em consideração as citações anteriores, o principal questionamento é:  

vale a pena investir em um tênis que pode melhorar meu desempenho em detrimento a minha segurança?
A ideia não é fornecer um manual para treinadores ou corredores, mas sim provocar e mostrar qual vem sendo o foco de pesquisa da ciência do esporte na atualidade.