Aguarde...
ON Run

onrun

Crianças no esporte: especialistas em brincar

A prática esportiva infantil é muito importante quando realizada corretamente, mas tão importante quanto é não deixar a brincadeira de lado

| ON Run

Crianças no esporte. Credito:Divulgação/Canva

Uma forma de se movimentar naturalmente é brincando. Brincar é uma necessidade de todos os seres humanos, que ajuda a tornar as aulas mais interessantes e aumentar o gosto pela modalidade, muito importante para o desenvolvimento das crianças. (ECA, 2000).

Stelter (1997) enfatiza que hoje em dia a oportunidade de praticar esportes e jogos está muito reduzida por causa do trânsito e outros perigos encontrados nas ruas.  

Quem pratica o jogo descobre segredos, as leis do mundo e também desenvolve suas habilidades básicas (TONICCI, 2005).

Dentro das provas que fazem parte da modalidade do atletismo, que podemos observar uma possibilidade significativa da especialização esportiva precoce, são as de meio fundo e fundo, sendo a principal delas a corrida de rua realizadas nas mais diversas cidades do Brasil. O evento principal e pioneiro realizado a mais de 20 anos, todo final de ano, é a São Silvestrinha, como referência a principal prova de rua do Brasil, a São Silvestre, realizada no último dia do ano nas ruas de São Paulo.


As provas de rua para crianças são justificadas como uma miniatura das provas adultas. Nesse caso, é importante o incentivo, respeitando sempre as categorias e as distâncias, mas o que não pode acontecer, e infelizmente pode estar acontecendo, é justamente o contrário, achar que nossas crianças devem ser estimuladas como miniaturas de adultos, realizando sequências e cargas de treinos parecida com as dos adultos, acarretando em consequências para o desenvolvimento infantil. 

A criança tem necessidade de brincar e esse momento deve ser assegurado para que seja vivenciado com intensidade. Essa experiência é "capaz de formar a base sólida para a criatividade e a participação cultural e, sobretudo, para o exercício do prazer de viver..." (MARCELLINO, p.38. 1998).




Mais do ACidade ON