Aguarde...
ON Run

onrun

Estudo aponta que cerca de 10,5 horas de sedentarismo por dia aumentam as chances de morte precoce

Para atenuar os efeitos do sedentarismo diário, é recomendado realizar de 30 a 40 minutos de atividade física moderada a vigorosa

| Especial para ON Run

Estudo aponta que cerca de 10,5 horas de sedentarismo por dia aumentam as chances de morte precoce. Crédito Qimono/Pixabay
Um estudo publicado no British Journal Of Sports Medicine mostrou que a quantidade de tempo de sedentarismo está associada a maior mortalidade em indivíduos menos ativos, quando medido por acelerometria. De acordo com os cientistas, cerca de 30 a 40 minutos de atividade física de moderada a vigorosa (AFMV) por dia atenuam a associação entre o tempo sedentário e o risco de morte.  



Pessoas que passam por volta de 10 horas e meia por dia em condições sedentárias possuem maiores chances de desenvolver problemas de saúde e morte precoce. Por isso, o recomendado é que os indivíduos que atualmente precisam passar muito tempo sedentários devido ao trabalho e deslocamento em transporte, devem ter como objetivo atingir o nível superior recomendado de 150300 min de atividade física de intensidade moderada a vigorosa por semana.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), como intensidade moderada entende-se uma atividade que queime de três a seis vezes mais energia por minuto do que quando se está em repouso, o que pode ser uma caminhada rápida ou uma atividade do dia a dia como cortar a grama. Já atividades vigorosas são aquelas em que se gasta mais de seis vezes energia do que quando se está em repouso, podendo ser atividades como andar de bicicleta ou jogar tênis.  



O ideal, segundo as diretrizes divulgadas pela OMS, é que adultos realizem de 150-300 minutos por semana de atividade de intensidade moderada, ou 75 a 100 minutos de atividade de intensidade vigorosa, de preferência aeróbica. Para crianças e adolescentes, o recomendado são 60 minutos por dia de atividades de intensidade moderada a vigorosa.
Para ler o estudo completo clique aqui. 




Mais do ACidade ON