Aguarde...
ON Run

onrun

Marílson dos Santos participou de três Jogos Olímpicos

O atleta olímpico Marilson Gomes dos Santos relembra sua trajetória e conta como eram os treinamentos para as maratonas olímpicas

| Especial para o ON Run

  

Marilson dos Santos conta sua trajetória e como participou de três olimpíadas. Crédito: Tião Moreira 

 

Marílson Gomes dos Santos 

O atleta Marílson dos Santos começou muito cedo na corrida de rua. Nascido na cidade satélite de Ceilândia, periferia de Brasília, começou a correr aos 12 anos no bairro em que morava, levado por seu irmão e um grupo de amigos.

"Meu irmão ficou com receio de me levar, porque eles costumavam correr pelos cerrados de Brasília. Ele ficou com medo de que eu não suportasse o trajeto e me perdesse. Mas, para surpresa de todos, além de completar o trajeto, cheguei na frente de todos os que estavam treinando naquele dia", conta Marílson.

A partir desse dia, ele começou a treinar e a participar de corridas pequenas. Em uma corrida de rua realizada no próprio bairro, Santos ficou em 5º lugar, na categoria geral. 


A evolução ao lado do técnico Adauto Domingos 

Com apenas 15 anos, ele recebeu um convite para treinar e representar o clube Sesi de Santo André referência no atletismo e se mudou para São Paulo. Lá, ele começou a treinar com Adauto Domingos, iniciando uma parceria que durou mais de 20 anos, visto que Adauto foi seu técnico até o final de sua carreira.

O atleta conta que, antes, a corrida era só um hobby, mas que, a partir daquele momento, a situação começou a ficar mais séria.

Aos 15 anos participou da seleção nos jogos sul-americanos, na primeira categoria e, ao longo de sua trajetória, competiu em jogos estudantis, campeonatos estaduais, provas nacionais, entre outras.

Pouco a pouco foi evoluindo, testando várias distâncias e, conforme a idade foi passando, a distância percorrida por ele também foi aumentando.

"Comecei a fazer provas de 10.000 metros na categoria juvenil, fui me destacando, cheguei a participar de campeonatos mundiais, campeonatos sul-americanos, pan-americanos e várias outras competições", relata o maratonista que, a cada ano, via seu resultado evoluir e melhorar.

Marilson na categoria de base em uma prova de pista na cidade de Cubatão -SP Crédito: Tião Moreira 

 

Os desafios de estar longe da família e o sonho Olímpico

Mas iniciar nesta carreira também trouxe desafios. Por estar longe da família, ele percebeu que precisava se dedicar de fato à corrida: 

"Imagina o que é uma criança com 15 anos sair de casa e vir morar em uma república de atletas, longe do pai, longe da mãe. Antes eu nunca tinha lavado uma roupa, não sabia cozinhar e tive que aprender tudo isso. Foi uma transformação muito grande", explica Marílson.

Com o tempo, foram surgindo novas parcerias, novos patrocínios e ele começou a pensar em participar de uma Olimpíada. Embora soubesse que era muito difícil, pois o índice não é algo fácil de ser alcançado, esse era um sonho do corredor de rua desde o começo.

Segundo Santos, ele tinha dois grandes sonhos: participar da corrida de São Silvestre e representar o Brasil em uma Olimpíada. Ele conseguiu realizar ambos.  


Marilson em uma das suas vitórias na São Silvestre. Crédito: Tião Moreira

  

Conquistas e realizações

Participou e foi campeão por três vezes da São Silvestre, tornando-se o brasileiro que mais vezes ganhou a prova; e participou de três Olimpíadas: Pequim-2008, Londres-2012 e Rio de Janeiro-2016.

Para alcançar o índice olímpico, foi necessário muito treino, chegando a fazer 210 km semanais e treinos diários, sendo duas sessões em alguns dias, trabalhando musculação e fortalecimento.

Em sua primeira Olimpíada, Marílson conseguiu o índice para três provas: 5.000 metros, 10.000 metros e a maratona. Naquele ano, o atleta estava na melhor fase de sua carreira. Marílson escolheu participar da maratona, já que era a prova em que tinha mais chances de alcançar uma boa colocação e brigar por uma medalha.

"Infelizmente isso não aconteceu, acabei desistindo da prova, mas foi muito bom representar o Brasil", conta o atleta.

Já na Olimpíada de Londres, ele obteve sua melhor colocação, ficando em 5° lugar. "Fiquei um pouco frustrado, porque estava brigando por uma medalha, mas, infelizmente, não consegui", disse Santos.
Em 2016, na Olimpíada do Rio, sua participação foi em clima de despedida, o que pode ter pesado um pouco em seu desempenho.

Durante toda sua trajetória, o atleta ainda ganhou as principais competições nacionais e venceu duas vezes a Maratona de Nova York uma das principais maratonas do mundo, sendo o único sul-americano a ganhar esta prova.

"Tenho a certeza de que tudo isso que consegui foi com muita dedicação, pois abdiquei de muitas coisas para conseguir chegar até aqui", afirma o atleta.


Fica aqui o nosso respeito e agradecimento a Marílson Gomes do Santos, por tudo que fez pelo atletismo brasileiro e por ter inspirado tantos atletas.