Publicidade

onrun

Atleta sofre parada cardíaca na Maratona de Boston

A corredora Meghan Roth sofreu uma parada cardíaca na Maratona de Boston, mas foi rapidamente socorrida por atletas e espectadores. Ela passa bem.

| ON Run -

A Atleta Meghan Rotch sofreu uma parada cardíaca na Maratona de Boston e foi socorrida por outros atletas e espectadores. (Crédito: Arquivo pessoal).
 

Um episódio dramático que aconteceu na Maratona de Boston de 2021 só veio à tona esta semana. A prova, que é realizada desde 1897, aconteceu no último dia 11 de outubro, dia em que a corredora Meghan Roth, de 34 anos, sofreu uma parada cardíaca na altura do quilômetro 13 da maratona.

No mesmo momento foi socorrida por outros atletas e espectadores que acompanhavam o evento nas ruas da cidade de Boston.

Para sorte de Meghan, um dos atletas que parou para ajudar na sua reanimação foi Nick Haney, que é bombeiro e paramédico. Entre as espectadoras que também auxiliaram estavam uma enfermeira e uma estudante de enfermagem.

Em entrevista à "CBS Boston", a corredora contou que acordou já na ambulância sem saber o que estava acontecendo e foi avisada pelos médicos que ela havia sofrido uma parada cardíaca.

"Na hora eu estava devastada, mas fiquei grata por estar ali e estar viva. Aconteceu em segundos. Eu desmaiei. Não me lembro de ter caído no chão", contou Meghan Roth.

Nick Haney, que fez o atendimento inicial a Meghan ainda na rua, já a conhecia de corridas anteriores. "O fato de eu saber quem era essa pessoa tornou tudo muito mais real", lembrou o paramédico à CBS.

"Eu estava realmente, de verdade, rezando para que ela ficasse bem. No trabalho, você não está acostumado a lidar com pessoas que conhecemos ou de quem gostamos", completou Haney.

Depois de ser tratada no Tufts Medical Center, onde colocou um desfibrilador cardíaco interno, Meghan Roth finalmente voltou para casa em Minnesota. Mas ela não pensa em se aposentar das corridas por conta do susto.

"Mesmo com tudo o que aconteceu, espero voltar mais forte e ser capaz de alcançar meu melhor potencial. Espero estar nas Olimpíadas de 2024. Isso consome completamente minha vida, mas eu amo isso. Não há nada como correr".

Mais notícias


Publicidade