Publicidade

onrun

Quais tipos de treino te ajudarão a correr a meia maratona?

Se você está iniciando agora na corrida, mas planeja correr uma meia maratona, é importante saber quais tipos de treino realizar. Confira no texto.

| ON Run -

Homem se preparando para realizar seu treino. Confira os tipos de treino que te ajudara a correr a meia maratona. (Crédito: Freepik).
 

Conhecer um pouco sobre o treinamento esportivo, mesmo você não sendo um professor de educação física, irá te ajudar a entender o que está sendo colocado na sua planilha de treino e a compreender a importância de seguir o planejamento.
Antes mesmo de sair para dar uma corridinha, é fundamental entender o motivo pelo qual você está fazendo um treino de rodagem no domingo, se fez um treino de rampa na sexta e um intervalado na quarta. 

E por falar em treino intervalado, ele é bastante conhecido por deixar os atletas "esbaforidos". 

Iremos explicar abaixo um pouco sobre cada tipo de treino e como eles podem te ajudar a chegar a correr tão desejada meia maratona. 

Como nosso corpo produz energia para treinar? 

A origem de todo movimento está nas fontes energéticas, ou melhor, de onde vem a energia para fazermos determinados esforços físicos, que são as aeróbias e anaeróbias. Elas são responsáveis pelas planilhas de treinos, em especial, pelos treinos intervalados. Entender como estas fontes energéticas são acionadas e a função que elas possuem em nosso organismo, é determinante para que os métodos e os meios sejam de fato realizados na prática. 

As capacidades físicas têm uma relação direta com as fontes energéticas. Por exemplo, um treino de força e potência de curta duração, como o LPO, gera uma adaptação neural, não tendo a presença da famosa fadiga. 

Quais são os tipos de treinos e as capacidades físicas ligadas a eles? 

Em um treino de força tradicional, como a musculação, há a presença da fadiga, além da produção e acúmulo de lactato. Estes são chamados de treinos anaeróbicos. 

Nos treinos de corrida de longa duração, onde temos a produção e ressíntese do lactato como fonte energética, são chamados de treinos aeróbios. 

Em todos esses momentos, existem vários meios para acionar essas fontes energéticas, e as capacidades físicas estão intimamente interligadas a elas. 

Para um melhor entendimento, destacamos abaixo as principais capacidades físicas e suas manifestações no esporte. 


Força 

A força pode ser caracterizada como a capacidade de exercer tensão muscular contra uma resistência, envolvendo fatores mecânicos e fisiológicos que determinam a força em algum movimento particular. Ela pode se manifestar de diferentes formas, como:

Força máxima: a maior força que o sistema neuromuscular pode mobilizar através de uma contração máxima voluntária, podendo ocorrer ou não o movimento articular;

Força explosiva: definida como a força produzida em um período muito curto de tempo, como por exemplo, em segundos;


Força de resistência: é capacidade do sistema neuromuscular de sustentar níveis de força moderado por um longo intervalo de tempo;

Velocidade 

A velocidade é caracterizada pela capacidade de se mover rapidamente. Ela pode ser classificada como: 

Velocidade de reação: tempo entre o sinal até um movimento muscular solicitado como tiro de partida; 

Velocidade acíclica: a rapidez de movimentos acíclicos como, salto em distância;

Velocidade cíclica ou de sprint: capacidade de realizar movimentos cíclicos com muita rapidez, como corrida de 100m; 

Velocidade de força: capacidade de realizar com rapidez ações motoras contra resistências maiores, como, impulsão nos saltos, fase de aceleração em provas de velocidade;

Resistência aeróbia: 

A resistência aeróbia é a capacidade de resistir à fadiga psíquica e física nos esforços de longa duração e intensidade moderada. 

Somos seres aeróbios e dependemos do oxigênio para sobreviver. O treinamento da resistência deve ser aplicado amplamente, visando principalmente a melhoria da capacidade aeróbia, servindo de base para a melhoria das demais capacidades motoras. 

O treinamento esportivo 

O treinamento é um conjunto de normas organizadas com o objetivo de desenvolver e aperfeiçoar o atleta, tendo o objetivo de aumentar o seu rendimento físico, psicológico e cognitivo. 

O autor Barbanti (1997), explica que o treinamento desportivo caminha no sentido de elevar e otimizar as capacidades físicas através de uma preparação física, técnica, tática, psicológica e intelectual. Além disso, baseia-se no relacionamento humano, com pessoas de diferentes tipos e personalidades, trabalhando também com um conjunto de situações complexas que envolvem as emoções e as relações interpessoais. 

Dentre seus objetivos, visa o desenvolvimento e aperfeiçoamento das capacidades físicas como a resistência, a força, a velocidade, flexibilidade e as habilidades básicas, que são os pré-requisitos pertencentes às várias modalidades esportivas que compõem o cenário esportivo nacional, como por exemplo, o atletismo. 

Desde que o esporte existe, os grandes campeões são considerados indivíduos excepcionais que receberam um dom especial (hereditariedade), que são indispensáveis para que o mesmo se destaque na sua especialidade. 

Para entender melhor , vamos fazer uma comparação: em uma planta, por exemplo, "o dom" (suas flores e frutos) só pode ser desenvolvido plenamente se bem cultivado e em condições particulares. Quanto mais particulares são essas condições, mais específicos serão os meios e métodos de treinamento a serem utilizados para potencializar e incrementar o desenvolvimento dessa planta. 

Comparando os nossos atletas a um conjunto de plantas diferenciadas biologicamente, é possível afirmar que se cultivados bem e oferecendo-lhes as condições ideais, seguramente muitos deles não irão demorar a mostrar suas qualidades e melhorar seu desempenho. 

Fases do treinamento esportivo: 

O treinamento deve ser desenvolvido a médio e a longo prazo, respeitando as diferenças individuais anatômicas e funcionais, para que a sua prescrição não esteja além do limite. Conta com quatro fases: 

A iniciação esportiva e formação esportiva 

Nessas fases, o atleta deve trabalhar o desenvolvimento das habilidades motoras básicas como coordenação simples, flexibilidade e aquisição de capacidades físicas, tais como velocidade, força e desenvolvimento básico da técnica esportiva. As tarefas devem proporcionar ao iniciante o gosto pela corrida de rua, a diversão e a motivação.

Especialização em determinada prova 

Nessa fase deve ser trabalhado o aperfeiçoamento da técnica específica à modalidade, desenvolvendo a velocidade, flexibilidade, força de resistência muscular, força de potência e força máxima, resistência aeróbia e anaeróbia. O treinamento deve ser mais refinado, preparando o praticante para desempenhos melhores. 

Alto desempenho esportivo

Essa fase compreende o aperfeiçoamento, a manutenção das capacidades e habilidades físicas e motoras, trabalhando sempre o que for necessário para melhor desempenho de determinada modalidade ou prova (5 km, 10 km, 21 km ou 42 km). 

Agora que você já sabe quais são os principais treinos e como eles podem te ajudar a evoluir para correr uma meia maratona, é hora de ir para a prática. Recomendamos sempre que você tenha a orientação de um profissional de educação física especializado em corrida para montar sua planilha de treinos e planejar sua evolução de forma correta e segura. 



Quer aprender como melhorar sua corrida, conquistar resultados duradouros e diminuir as chances de lesões?! 

Agora você pode treinar com a metodologia do Professor Ronaldo Dias com a parceria do ON RUN! 

Matricule-se agora mesmo no curso Corrida não é só correr e aproveite as condições exclusivas de lançamento.
Acesse: acidadeon.com/onrun/curso

Mais notícias


Publicidade