Publicidade

onrun

A corrida de rua é para todas as idades? Especialista em corrida responde

Quando realizada com orientação profissional de um educador físico, a corrida de rua pode trazer bons resultados em diversas fases da vida.

| ON Run -

 

A corrida de rua pode trazer bons resultados em diversas fases da vida. (Crédito: Freepik).

Há idade para começar a correr, mesmo tendo sido a vida toda sedentário? 

Essa é uma pergunta muito comum entre as pessoas que querem iniciar na prática da corrida de rua, e a resposta é sim! 

Mas precisamos conversar para entender porque algumas pessoas, sem nenhuma fundamentação, ainda continuam provocando dúvidas na cabeça das outras sobre a idade ideal para iniciar ou mesmo se manter na corrida de rua.
Lógico que quem tem alguma patologia já diagnosticada pelo seu médico e que a corrida, por algum motivo, possa ser um impedimento ou te aproximar de um risco a sua saúde, certamente não será e nem deve ser aconselhada por nenhum profissional, seja médico ou profissional de educação física. 

Abaixo, te ajudaremos a entender quais observações devem ser seguidas para você ter a corrida de rua como companhia em várias fases da vida.

Para vocês terem uma ideia de como a corrida é uma das práticas esportivas mais praticadas, os últimos estudos estatísticos apresentados pela Federação Paulista de Atletismo no relatório anual da entidade, tem praticantes das mais diferentes idades começando com as crianças e finalizando com jovens senhores de 80, 90 anos de idade. 

E não é muito raro encontrar atletas com quase 100 anos praticando a corrida, segundo a Federação de 2015 para 2016 o número de concluintes em corridas de rua no Estado de São Paulo cresceu de 724.130 para 906.930, um crescimento percentual de 25,24% contra 10,87% de 2014 para 2015 e 15,35% de 2013 para 2014. 

Segundo a Federação Paulista de Atletismo (FPA) o número de corridas de rua supervisionadas pelo FPA cresceu de 415 para 424 eventos, com a média de concluintes aumentando de 1.745 pessoas para 2.139 pessoas por evento. 

Em 2014 as mulheres em São Paulo totalizaram 34,20% do número de concluintes, passando para 37,85% em 2015 e para 42% em 2016. Já o masculino, mesmo apresentando crescimento no número de concluintes, passou de 65,80% em 2014, para 62,15% em 2015, e 58% em 2016. 

Se seguir esse percentual de crescimento de 17,6% no masculino e 37,8% no feminino, podemos fazer uma projeção que no ano de 2019 o número de concluintes mulheres de rua no Estado de São Paulo será maior que de homens, seguindo uma tendência comum nos EUA que teve início entre 2006 e 2007. 

Corrida para crianças

O ideal é dar atenção à participação na forma de brincadeiras ou na educação física escolar com ludicidade. Ter a corrida como o pontapé inicial pensando sempre numa fase da adolescência e adulta mais saudável. 

Na maioria dos eventos de corrida destinado aos adultos é muito comum e vem crescendo significativamente a presença de crianças a cada ano, de acordo com os dados da Federação Paulista de Atletismo, assim os pais podem vir ao evento e ainda acompanhar os filhos nas corridinhas kids. 

Cabe um destaque importante: o ideal é que as crianças participem de provas para a idade e evitem treinar e correr de forma inadequada, pois em sua grande maioria elas começam a treinar como adultas ou adaptando treinos dos adultos. A criança precisa se exercitar como criança, se divertir e tomar gosto pela corrida, evitando a tão temida especialização precoce no esporte e o abandono da prática esportiva, gerando um contratempo para a fase adulta no esporte. 


Corrida na fase adulta 

Nessa fase a corrida é menos questionada sobre a sua não realização, mas sempre há o caso de preferir tomar remédio ou alguma forma milagrosa seja para perder peso ou mesmo diminuir algum marcador bioquímico do sangue. Em alguns casos, o médico cansado de orientar o paciente para perder peso e realizar uma atividade física entra com a medicação.
Mas a corrida nessa fase pode ser um transformador radical na sua vida, te ajudando a ficar cada vez melhor, sendo utilizada como uma importante terapia e momento de aliviar o estresse. Sim, essa pelo menos é uma das frases mais utilizada pelos praticantes como justificativa para praticarem a corrida. 

Mas os benefícios vão muito além do bem-estar, ela tem uma relação com a melhora da autoestima, de sentir que é capaz de conquistar algo muito maior, como correr um 5 km para quem era sedentário e até uma maratona para aqueles que nem em seus melhores sonhos poderia imaginar participar de uma prova tão desejado pelos corredores. 

O mais importante é fazer os exames periódicos e começar tendo como referência você mesmo, saber que o melhor tempo ou o melhor Pace é e sempre será o seu Pace, afinal ele é o resultado daquilo que você foi capaz de se dedicar nas últimas semanas de treino e até nos últimos anos de dedicação, faça chuva ou faça sol. 

Nessa fase, é muito comum se comparar com outras pessoas, por isso essa é a primeira dica: evite o máximo possível fazer comparações com outras pessoas, em especial com quem já treina a mais tempo ou está com alguns indicadores físicos, coordenativos e até adaptação mais rápida com a corrida. 

Corrida para idosos 

O especialista em corrida e professor, Ronaldo Dias, acompanha vários grupos de corrida há mais de 25 anos, tendo entre seus alunos vários setentões e muitos que não veem a hora de chegar nessa idade para pagar meia nas corridas. Convenhamos, fazer o que gosta e ainda pagar 50% mais em conta, é muito bom! 

Mas assim como com as crianças, os idosos também precisam ter cuidado e dar a devida atenção nas progressões de carga, evitar alguns exercícios, em especial, os que envolvam os trabalhos de potência ou com intensidades mais altas e saltos em pliometria em profundidade onde o risco de lesão aumenta significativamente. 

A pegada nessa fase é correr e continuar correndo por muitos anos, e para isso precisamos minimizar o máximo possível as chances de lesões e identificar os exercícios que possam fazer isso. A relação com o descanso deve ser mais controlada, os treinos em terrenos irregulares ou com piso tipo concreto devem ser evitados, dando preferência para estradas de terra ou grama, pois embora o impacto auxilia muito na densidade óssea e ajude no fortalecimento dos ossos, que é a causa de maiores acidentes com idosos em casa . 

Em sua grande maioria, as fraturas poderiam ser evitadas se a parte óssea estivesse preservada ou minimamente fortalecida e a corrida, se bem orientada, poderia evitar as quedas, uma vez que melhora bem o nível de força e coordenação, além de ajudar a prevenir outros acidentes domésticos muito comuns nessa fase da vida. 

Corrida só com um profissional de educação física 

Já é de conhecimento da grande maioria, mas é sempre importante reforçar que para terem maiores chances de sucesso na prática da corrida em qualquer idade, é determinante que você procure um profissional de educação física para te ajudar a melhorar cada vez mais. 

Posso começar a correr com qualquer idade? 

Essa foi a pergunta de alguns leitores e de alunos que procuram ajuda para iniciar na prática da atividade física. A resposta poderia ser "depende", como era muito comum a alguns anos, mas hoje em dia com avanço na ciência, da atividade física, do treinamento esportivo e a regulamentação da profissão, fica mais fácil e seguro encontrar bons profissionais no mercado.  

Quer iniciar de forma segura na prática da corrida em qualquer idade, invista em um bom professor e seja feliz nas ruas, parques e avenidas do Brasil e do mundo! 

 

Quer aprender como melhorar sua corrida, conquistar resultados duradouros e diminuir as chances de lesões?!

Agora você pode treinar com a metodologia do Professor Ronaldo Dias com a parceria do ON RUN!

Matricule-se agora mesmo no curso Corrida não é só correr e aproveite as condições exclusivas de lançamento.

Acesse: acidadeon.com/onrun/curso



Mais notícias


Publicidade