Aguarde...

ACidadeON

Política

'Tivemos a crucificação dos políticos', diz Jucá, derrotado após 24 anos

| FOLHAPRESS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Derrotado nas urnas após 24 anos de mandato, Romero Jucá (MDB-RR) considera a eleição deste ano como o resultado de uma "crucificação" de sua classe. "A política tradicional foi condenada antes de ser julgada. Os políticos se tornaram bodes expiatórios para os problemas do país", disse o senador em entrevista à Folha de S.Paulo. Citado na Lava Jato, o parlamentar afirmou que a operação teve o efeito positivo de sepultar um modelo de loteamento de ministérios, mas declarou que houve excessos de investigadores e da imprensa. "A Lava Jato não pode ser Hitler, que escolheu um adversário, que eram os judeus, para exterminar." Jucá, 63, continua na presidência nacional do MDB até a próxima convenção do partido, em março. Ele disse não se arrepender de sua participação no impeachment de Dilma Rousseff e afirmou que o clima da campanha eleitoral pode provocar uma "instabilidade permanente" no país. Pergunta - O sr. e outros políticos com longa carreira ficaram sem mandato. Qual é o recado do eleitor? Romero Jucá - O eleitor foi instado a fazer uma condenação da política. Tivemos por parte do Ministério Público e dos veículos de comunicação a criminalização da política. No meu caso, fui muito atacado, mas isso não foi determinante. Foi a conjuntura de Roraima, com a invasão dos venezuelanos, corte de energia e muita compra de voto dos adversários. As pessoas não acreditavam na política e queriam alguma vantagem pessoal para votar. O sr. é alvo da Lava Jato. Isso não influenciou seu desempenho na eleição? Jucá - Com certeza. Fui atacado com coisas que não eram verdadeiras. Depois, o Ministério Público arquivou grande parte delas. É completamente abissal a diferença entre a acusação leviana e o resultado da investigação. Eu não temo investigação, mas tivemos uma operação irresponsável do [ex-procurador-geral Rodrigo] Janot, com delações fabricadas. Mas o sr. já disse que, ao fim da Lava Jato, a política estaria melhor. Houve um passo nessa direção? Jucá - Tivemos a crucificação dos políticos. O que vai sair disso depende da realidade do próximo ano. O que aconteceu de positivo? Sepultou-se de vez o modelo antigo de loteamento de ministérios. Eu sou contra isso, sempre fui. Todos os governos que o sr. liderou usaram esse mecanismo. Jucá - Porque era o modelo da Câmara. O Michel [Temer], por exemplo, virou refém. O Janot emparedou o governo e o país. O mal que esse Janot fez é algo imensurável. Teríamos votado a Previdência, estaríamos com outra situação na economia e o clima não seria esse. Considero a Lava Jato positiva. É uma mudança de paradigma, mas não pode pegar todo mundo e dizer que tem que matar. A Lava Jato não pode ser Hitler, que escolheu um adversário, que eram os judeus, para exterminar. Teme ser alvo de alguma ação do Ministério Público e do Judiciário quando seu mandato acabar? Jucá - Estou tranquilo. Se tiver alguma retaliação, vamos ver. As investigações estão sendo arquivadas. Não fiz nada de errado. No meu caso, o que se viu foi a montagem de uma denúncia vazia baseada em delações negociadas. O sr. foi líder de quatro governos e se tornou símbolo da política tradicional. Essa imagem atrapalhou? Jucá - A política tradicional foi condenada antes de ser julgada. Os políticos se tornaram bodes expiatórios para os problemas do país. Toda pessoa revoltada, que não estava bem na vida, botou a culpa na política e nessas pessoas. Considero um risco acabar com a política, porque vamos ter um quadro muito grave. Que tipo de risco existe? Jucá - O primeiro risco é a divisão do Brasil. Vamos ter um quadro na Câmara em que a maior bancada é o PT e a segunda maior é a do Bolsonaro. Você vê algum sinal de pacificação nessa relação na Câmara? Eu não vejo. No Senado, houve uma grande pulverização. Quem são as pessoas que vão ser capazes de dar uma construção técnica, um entendimento? O próximo presidente enfrentará instabilidade política? Jucá - Não sei qual será a ação do próximo governo. Se continuar o clima da campanha, vamos ter instabilidade permanente. A renovação do Congresso indica um novo modelo de representação? Jucá - É uma reação. Será um modelo de representação se essas pessoas se consolidarem e derem conta do recado. Estarão sob avaliação permanente. Tivemos uma tempestade, vamos ver o que sobrou e como se reconstrói a partir dos escombros. O sr. dizia que o desgaste da política poderia provocar uma "aventura". Bolsonaro e Haddad representam isso? Jucá - Estamos a caminho da divisão do país com qualquer um dos dois. Se vai ser aventura vai depender da prática de cada um. A gente vê uma divisão pior do que o confronto do MDB com o PT, porque o novo confronto será legitimado pelas urnas. O impeachment de Dilma contribuiu para a instabilidade de hoje? Jucá - O que gerou o impeachment foi a instabilidade econômica e política. O governo da Dilma se inviabilizou. A ação deveria ter acontecido da forma que aconteceu. Não me arrependo disso. O sr. foi um dos homens fortes do governo Temer, que termina com baixa aprovação. Onde ele errou? Jucá - O governo acertou na economia e na gestão. Na política, o governo não pôde agir. Ficou refém da Câmara. Ficou uma situação de emergência o tempo todo. A articulação não era para atuar, era para salvar o governo. O governo errou na questão da Venezuela? Jucá - Sim, tanto que deixei a liderança do governo por isso. Roraima não aguenta 1 milhão de pessoas [imigrantes]. O controle da fronteira tem que ser feito. Dá para fazer uma ação inteligente sem colidir com a legislação internacional. A Alemanha definiu cotas de imigração. A invasão em Roraima é desastrosa para o estado. Como avalia o desempenho de Henrique Meirelles, do MDB, na eleição? Ele terminou com 1% dos votos. Jucá - Tinha-se a esperança de que haveria o crescimento de um candidato de centro. O Meirelles foi uma opção ao [Geraldo] Alckmin. Mas nem Alckmin, nem o Meirelles, nem Alvaro Dias, nem Marina [Silva] decolaram. Não adianta avaliar negativamente o Meirelles.

Veja também