Aguarde...

ACidadeON

Política

Aliados de Bolsonaro reclamam de falta de interlocução com Onyx

| FOLHAPRESS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Um dos principais auxiliares do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), começou a desagradar a aliados do núcleo do novo governo. Integrantes do DEM e do PSL reclamam da falta de interlocução com Onyx e consideram que seu perfil pouco conciliador pode prejudicar ainda mais a articulação política com o Congresso. Como mostrou a Folha de S.Paulo, Bolsonaro tenta desobstruir seu canal com os parlamentares e escalou o novo chefe da Casa Civil para conversar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O presidente eleito havia desmarcado encontro com Maia e com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), durante a semana, sinalizando aos caciques políticos que a relação com o Legislativo não era prioridade da transição. Aliados do capitão reformado, porém, dizem que o desconforto mudou de patamar após alguns episódios e alcançou deputados e senadores do PSL e do próprio partido de Onyx, o DEM. O principal argumento é que o novo chefe da Casa Civil não atende ligações e não tem trabalhado para melhorar seu trânsito no Congresso. Segundo parlamentares, é mais fácil falar com o presidente eleito do que marcar alguma audiência ou resolver demandas com seu interlocutor. A relação do deputado gaúcho com líderes da Câmara nunca foi boa, mas piorou bastante depois que ele foi relator do pacote anticorrupção e não cumpriu acordos com diversos colegas. De olho na opinião pública, à época Onyx se comportava como uma espécie de porta-voz do Ministério Público Federal, que elaborou inicialmente as medidas, e irritou líderes partidários ao trabalhar contra uma proposta de anistia ao caixa dois, articulada com apoio, inclusive, de Rodrigo Maia, em 2016. O braço direito político de Bolsonaro já confessou ter recebido R$ 100 mil da JBS via caixa dois em 2014, e a Folha de S.Paulo revelou na quarta-feira (14) que uma planilha entregue por delatores da empresa à PGR (Procuradoria-Geral da República) sugere uma segunda doação eleitoral não declarada para ele no mesmo valor em 2012 --e não admitida pelo deputado até agora. O capital político de Onyx é ainda mais estreito no Senado. Eunício, por exemplo, afirmou a aliados de Bolsonaro que conversa com "qualquer pessoa", menos com o futuro ministro da Casa Civil e com o senador Magno Malta (PR-ES), que também pode assumir um cargo na Esplanada. Aliados do presidente eleito não concordam com a estratégia de isolar Eunício --que ainda não se encontrou com Bolsonaro para uma conversa reservada-- visto que ele ainda é o chefe do Congresso, responsável por pautar votações importantes, como a do Orçamento, por exemplo. Há quem diga que Bolsonaro não quer se atrelar à "velha política" -e por isso tem evitado Eunício e seu partido, o MDB-, mas parlamentares mais experientes dizem que é preciso ter cautela, visto que a presidência do Senado deve seguir nas mãos dos emedebistas, com Renan Calheiros (AL), a partir de 2019.

Veja também