Aguarde...

ACidadeON

Política

CNI/Ibope: Lula lidera em pesquisa espontânea, com 21% de intenções de voto

eleições 2018 CNI/Ibope pesquisa espontânea

| Estadao Conteudo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera pesquisa de intenção voto espontânea, com 21%, de acordo com pesquisa realizada pela CNI/Ibope na semana passada e divulgada nesta quinta-feira (28). Neste caso, não são apresentados os nomes dos prováveis candidatos aos entrevistados pela pesquisa.

No cenário da pesquisa espontânea, Jair Bolsonaro (PSL) aparece em segundo lugar, com 11% das intenções de voto. Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) estão empatados, com 2% cada. Álvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB) e João Amoedo (Novo) reúnem 1% das intenções de voto na pesquisa, cada um.

Na pesquisa espontânea, pré-candidatos como Henrique Meirelles (MDB), Rodrigo Maia (DEM) e Manuela D'ávila (PCdoB) não aparecem nominalmente no levantamento. De acordo com a pesquisa, 59% dos entrevistados não nominaram um candidato; 31% revelaram a intenção de votar nulo ou em branco; e 28% não souberam ou não quiseram responder.

Pesquisa estimulada

Mesmo preso, o ex-presidente Lula também lidera a pesquisa estimulada, ou seja, quando são apresentados os nomes dos possíveis candidatos aos entrevistados.

Na pesquisa estimulada, Lula tem 33% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro (15%), Marina Silva (7%), Ciro Gomes (4%), Geraldo Alckmin (4%) e Álvaro Dias (2%).

Com a presença do ex-presidente na disputa, de acordo com a pesquisa, João Amôedo, Manuela D'ávila, Fernando Collor (PTC), Flávio Rocha (PRB), João Goulart Filho (PPL) e Levy Fidelix (PRTB) aparecem empatados com 1%.

Caso Lula esteja na disputa, os presidenciáveis Henrique Meirelles, Aldo Rebelo e Guilherme Boulos (Psol) não chegam a 1% das intenções de voto e nem sequer são citados nominalmente no gráfico da pesquisa.

A pesquisa foi realizada pelo Ibope dos dias 21 a 24 de junho com 2 mil eleitores e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-02265/2018. A margem de erro máxima é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja também