Aguarde...

ACidadeON

Política

Marina diz que visão pró-mercado gerou prejuízos à Petrobras e à sociedade

ELEIÇÕES 2018 CNI DEBATE Marina Petrobras

| Estadao Conteudo

Pré-candidata da Rede à Presidência da República, a ex-ministra do Meio Ambiente e ex-senadora Marina Silva afirmou nesta quarta-feira, 4, que uma visão dogmática favorável ao mercado na Petrobras gerou prejuízos à sociedade e à estatal. Ao comentar a greve dos caminhoneiros, que provocou uma queda na atividade industrial de 10,9% e foi deflagrada pela alta no preço dos combustíveis, a presidenciável apontou erro da antiga direção da empresa ao repassar a alta no dólar diariamente ao consumidor.

"A visão dogmática pró-mercado deu grandes prejuízos para a Petrobras e para o cidadão", disse Marina, ao participar do evento "Diálogo da Indústria com Candidatos à Presidência da República", promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Ela afirmou que a estatal tem capacidade de manejar situações como a alta do dólar, mas sem adotar a política de controle de preços. Ela defendeu que a companhia permaneça atenta ao cenário global dos combustíveis, mas ressaltou que a Petrobras possui função estratégia nacional.

Marina diz que governo não foi capaz de se antecipar à crise gerada na greve de caminhoneiros e apontou negligência da gestão do presidente Michel Temer. Ela pontuou que os representantes da categoria anteciparam a pauta e que faltou credibilidade ao governo para negociar.

Sem citar o Banco Central, Marina pregou que as instituições financeiras sejam tratadas com autonomia, sem institucionalização, e que sejam preservadas de uso político.

A presidenciável afirmou que irá retomar o tripé macroeconômico com câmbio flutuante, superávit primário e meta de inflação. Ela disse que o tripé foi abandonado e comprometeu ganhos de décadas em troca de dividendos eleitorais.

Marina também se comprometeu a trabalhar por juros mais baixos para estimular os investimentos e chamou de "anomalia" a especulação no mercado financeiro. Disse ainda que irá reduzir o gasto púbico e controlar a inflação.

A pré-candidata da Rede também disse que irá propor uma reforma tributária com base em princípios da "simplificação, justiça tributária, impessoalidade e transparência".

Ela criticou medidas protecionistas dos Estados Unidos contra a China e disse que a guerra comercial repercute no Brasil, criando situações difíceis para o País.

Marina afirmou ainda que, atualmente, as agências reguladoras de diversos setores são partidarizadas pelo governo federal. A ex-ministra defendeu aprovação de marcos regulatórios que permitam adequar a relação entre sociedade e empreendedores. Como exemplo, disse que a Agência Nacional de Saúde (ANS) "tem dificuldade de prover saúde de qualidade para quem busca planos".

Marina também disse aos empresários que irá priorizar a segurança pública, um dos temas mais sensíveis da campanha, com foco em tecnologia e inteligência no combate à criminalidade.

Veja também