ACidadeON

Política

PT intensifica mobilização e tenta frear perda de aliados

eleições 2018 Lula PT

| Estadao Conteudo

O PT aproveitou a repercussão do imbróglio jurídico sobre a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato, ocorrido neste domingo, 8, para reacender a mobilização da militância e dar fôlego às conversas para a formação de alianças. Enquanto preparam uma agenda de manifestações para as próximas semanas, os dirigentes petistas sentaram-se à mesa com outras legendas neste início de semana na esperança de neutralizar a movimentação de aliados históricos na direção de outros candidatos nas eleições 2018.

Nesta terça-feira, 10, pela manhã, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), o vice-presidente Marcio Macedo e o deputado Paulo Teixeira (SP) encontraram-se em Brasília com o presidente do PSB, Carlos Siqueira. Na reunião, ouviram de Siqueira que o partido de fato considera apoiar o pedetista Ciro Gomes na corrida ao Planalto. O PT reiterou, então, o desejo de selar um acordo nacional com o PSB e reforçou a disposição de apoiar candidatos pessebistas em Estados estratégicos, como Pernambuco. O PSB pernambucano é um dos maiores defensores de uma aliança com o PT, uma vez a legenda torce pela retirada da pré-candidatura de Marília Arraes (PT) ao governo do Estado.

"Ele (Siqueira) disse que o PSB está entre duas tendências, que é o PT e o PDT. O que discutimos foi o apoio ao Lula em uma aliança formal", disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) ao Estadão/Broadcast. Os petistas aguardam a definição do PSB entre os próximos dias 20 e 22. "Este diálogo serviu para afirmar nossa disposição. Tem muitos lugares em que interessa ao PSB um apoio nosso", comentou o parlamentar.

Ainda nesta semana, Gleisi deve viajar a Pernambuco para conversar com o governador Paulo Câmara. A senadora também pretende ir à Paraíba, onde deve se reunir com Ricardo Coutinho, também do PSB. Mesmo que os pessebistas fechem com o PDT, os petistas avaliam que a sigla pode ficar dividida e se alinhar ao PT. "O PSB é o partido que não se unificou nem para apoiar o Eduardo Campos (em 2014), então não temos a intenção de achar que nós vamos ser o fator de unidade do partido que não caminhou junto nem quando teve candidato", disse o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS). "Temos uma aliança prioritária com PSB e PCdoB", reforçou.

Ainda mantendo o discurso de que Lula será o candidato, líderes do PT citam entre aliados prioritários também o PCdoB, outra legenda cortejada por Ciro. Na segunda-feira, 9, após reunião da Executiva Nacional com o conselho político da campanha presidencial, representantes do comando petista também se reuniram em São Paulo com o presidente do PROS, Eurípedes Júnior. No encontro, Gleisi Hoffmann, o vice-presidente Marcio Macedo e o ex-prefeito Fernando Haddad - tido como possível plano B a uma chapa encabeçada por Lula - pediram o apoio do PROS à candidatura presidencial.

Mobilização

Nas ruas, o partido espera mobilizar a militância com atos até o dia 15 de agosto, quando promete reunir apoiadores para registrar a candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, e intensificar esforços na Justiça Eleitoral relacionados a uma possível libertação do ex-presidente.

Na próxima sexta-feira, 13, está programado um dia nacional de mobilização em diversas cidades. Em São Paulo, o partido pretende organizar um ato na Avenida Paulista. Ao mesmo tempo, centrais sindicais devem realizar uma plenária em frente ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, principal palco do "vai-vem" de decisões no último domingo.

No dia 18, apoiadores de Lula querem aproveitar o dia em que se lembra o nascimento do ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela para organizar um "ato mundial" denominado "Mandela livre, Lula livre", pedindo a liberdade do petista e comparando a situação de Lula com a do líder sul-africano.

De 10 a 15 de agosto, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) prepara uma jornada com militantes saindo de vários lugares do País em direção a Brasília. Além disso, um abaixo-assinado em defesa do ex-presidente vai circular entre apoiadores nas manifestações e na internet. "Vai haver um movimento crescente daqui para frente", declarou o deputado Paulo Teixeira.

Justiça

Na frente jurídica, os esforços para reverter a condenação e a prisão de Lula deve voltar à banca de criminalistas que o defendem no Supremo Tribunal Federal (STF). Os advogados não participaram da articulação de deputados para pedir um habeas corpus no Tribunal Regional Federal na sexta-feira, 6.

Além de Pimenta e Teixeira, Wadih Damous (PT-RJ) também foi autor do pedido de habeas corpus. Esse time ainda avalia se e como vão recorrer a instâncias superiores para insistir no pedido. Nesta terça-feira, a presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz, já negou um negou habeas que pedia a liberdade do ex-presidente.

Nos últimos dias, Lula e aliados têm admitido não ter mais esperanças na Justiça para livrá-lo da prisão. A única condição para a liberdade, citam, seria o Supremo pautar as ações que questionam a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância e revisar o entendimento vigente na Corte.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários