Aguarde...
Voltar

colunistas e blogs

Acontece mais um caso de racismo no futebol; Até quando?

Foi na Itália, país de primeiro mundo, mas que também tem torcedores do quinto mundo. Ou do quinto dos infernos

| ACidadeON/Ribeirao

Outro dia, pela milésima vez, aconteceu mais um caso de racismo no futebol. Foi na Itália, país de primeiro mundo, mas que também tem torcedores do quinto mundo. Ou do quinto dos infernos.  

Jogavam Internazionale de Milão e Cagliari. Em campo um craque de bola e super gente fina: Romelu Lukaku. Os torcedores do Cagliari fizeram sons e gestos imitando macaco. E a torcida rival, onde joga o atacante belga, minimizou a agressão com um papo mais do que furado.  

Conheci Lukaku no ano passado. Ele jogou no Benfica e fala bem o português. É de uma simpatia indescritível. Não é afetado pela fama, nem pela conta corrente. Nem ele, nem ninguém merece esse tipo de ofensa.  

Como qualquer ser humano, Lukaku deve ter ficado chateado com os torcedores italianos. Com toda razão. E aí? Perguntaria o prezado amigo. A resposta é fácil: como nas vezes anteriores não vai acontecer nada.  

Nesse mundo polarizado e dividido, com o egoísmo ressaltando em muita gente, pouca fé e religiosidade, sem leis pesadas para punir o racismo, a gente vai levando...  

Desculpe Lukaku. Esses infelizes não sabem o que dizem.

Detalhe

O projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados transformando os times de futebol em sociedades anônimas (S/A) tem apoio dos políticos e da cartolagem. Esse é o meu medo. Porque não confio na imensa maioria dessa gente.  

Não conheço todos os detalhes do projeto, que por sinal, está recebendo várias emendas. Mas nada vai adiantar se não for incluída a responsabilidade fiscal e penal dos dirigentes. Porque eles continuam nadando de braçadas, vários deles ganhando comissões de empresários e cuidando do clube sem responsabilidade. E os novos clubes S/A tem de pagar imposto de renda. Nada de isenção, hein Rodrigo Maia!  

A sociedade precisa cobrar esses detalhes. Caso contrário, vamos continuar convivendo com a mesma incompetência administrativa e roubalheira.

Mais do ACidade ON