Aguarde...

Aglomerações urbanas: Jundiaí, Piracicaba e Franca

Confira a análise no texto do professor Vicente Golfeto

| ACidadeON/Ribeirao

Vicente Golfeto, colunista do ACidade ON (Foto: Mastrangelo Reino / Arquivo A Cidade)
    Aglomeração urbana, também denominada de aglomerado urbano, é um processo de expansão de núcleos urbanos definida na constituição de 1988 como o resultado do crescimento físico das cidades, da proximidade das zonas urbanas e do relacionamento frequente entre as cidades.
    O estado de São Paulo tem, como já vimos e comentamos, seis regiões metropolitanas. São elas a de São Paulo, capital; a de Santos, a de Sorocaba, a do Vale do Paraíba, a metrópole é São José dos Campos, e a de Ribeirão Preto. Ao lado delas, existem as aglomerações urbanas. Que são três, todas instituídas por decreto: Jundiaí, Piracicaba e Franca. 


    Como vemos, a maior delas em número de municípios e em ativo demográfico é a de Piracicaba. Ela é composta de vinte e três municípios e tem, conforme estimativa do IBGE de 2020, 1.508.439 habitantes.
Jundiaí é a segunda aglomeração urbana em ativo demográfico, com 825.470 habitantes mas é a menor em quantidade de municípios. Ela tem apenas sete. Já a de Franca, a terceira em população com 667.416 habitantes, é a segunda em número de municípios. Ela abrange dezenove deles.
    Do ponto de vista dos municípios mais populosos de cada uma delas, Jundiaí, Piracicaba e Franca, a população de 2020 em relação a 1993, Jundiaí apresentou crescimento de 43,66%, enquanto a de Piracicaba ficou com 40,12% e a de Franca com 43,87%. Mas é preciso que se analise também a dinâmica populacional de todo aglomerado. E de cada um deles. E aí, então, impressiona o crescimento populacional do aglomerado de Jundiaí. Ele foi de 70,77% enquanto o de Franca ficou com 38,24% e o de Piracicaba ficou com 46,81%.