ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

Cotidiano

Remédios usados no tratamento de doença rara são suspensos pela Anvisa

Famílias de Ribeirão Preto participam de campanha nacional para requerer o direito de aplicação a crianças de 4 e 6 anos

| ACidadeON/Ribeirao

Cauê foi diagnosticado portador linfangioma ainda na barriga de sua mãe (Foto: Arquivo pessoal)
 

Lesão dos vasos linfáticos. Linfangioma. Doença rara, pouco conhecida, estudada ou falada no Brasil. E, agora, possivelmente sem tratamento.

O pequeno Cauê, de 6 anos, foi diagnosticado ainda na barriga da mãe, Giovanna Pereira Tres, 33, e desenvolveu os sintomas, que eram consequência da deformação das estruturas vasculares. Os efeitos tumorais apareceram na região cervical e na boca, próximos à língua, assoalho da boca e gengiva.

Aprendeu o que são embolizações das substâncias OK 432 e Bleomicina, que funcionam como uma quimioterapia e degradam os polímeros. O tratamento, iniciado em Ribeirão Preto nos primeiros meses de vida, foi acompanhado até outubro de 2017 no Hospital A. C. Camargo, em São Paulo.

"Depois que a Anvisa barrou as importações desses medicamentos, meu filho ficou sem alternativas. Estamos desesperados, porque a situação do quadro dele é sempre um 'por enquanto'. Estamos travados no meio do caminho", lamenta.

E não há expectativas. Também em outubro do ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária divulgou uma nota suspendendo o uso e comércio de cinco medicamentos, incluindo os citados acima, devido à inspeção negativa dos locais de fabricação, no Japão e no México.

A novidade, que foi sentida recentemente com o fim dos estoques hospitalares, revoltou Giovana e centenas de portadores, já que a doença atinge, em média, 1 em cada 10 mil nascimentos e é mais comuns entre pacientes do sexo masculino. Há registros de adultos que também apresentaram casos císticos.

Márcia Marisa Macei, 57, viveu o mesmo drama com o neto, Ian Vitor, de 4 anos. Apesar da proporção menor e a cura aparente, o menino fez uso do OK 432 e segue acompanhando seu desenvolvimento no Hospital das Clínicas.

"O cisto parecia uma bolha que se movia do ombro para as costas dele, que ainda não tinha 2 anos de idade. Quando veio o diagnóstico, ficamos muito assustados com a falta de informação, porque nem mesmo os médicos pareciam saber como prosseguir. Aí fomos transferidos para o HC, conseguimos o medicamento pelo Ministério Público e tudo parece estar bem. Por isso, acho injusto ver outras crianças que precisam, sofrendo com a deformação de vários níveis diferentes e sem assistência", ela afirma.

Campanha nacional


Criada nas redes sociais, a campanha #LiberaAnvisa já mobilizou pelo menos 230 pessoas que precisam dessas substâncias para tratamento médico em uma grupo do Facebook, a fim de chamar a atenção das autoridades responsáveis. Giovana e Márcia fazem parte do movimento.

"A intenção é essa mesmo. Alguns portadores já estão apelando para intervenções com álcool e nitrato de prata, que são extremamente fortes e por falta de opção. A cirurgia não é recomendada para alguns casos, como o do meu filho, mas o Linfangioma pode levar a morte. Então, precisamos de ajuda. Nosso apelo é que a Anvisa reconsidere e refaça a inspeção. Ou que pelo menos divulgue um medicamento substitutivo", explica a mãe do Cauê.

Fundamental para o controle

De acordo com o cirurgião de cabeça e pescoço, Paulo Barrero Marques Netto, os medicamentos OK 432 e Bleomicina são fundamentais para o controle da doença congênita, que já avançou, mas ainda é dependente das importações.

"Nas primeiras tentativas de tratamento, removíamos esses vasos de maneira cirúrgica, mas, como estão no meio do tecido normal, a remoção trazia morbidade para o paciente. Então, a esclerose se tornou mais eficiente. Aplicamos o remédio dentro da lesão para que haja ressecamento e só essas duas substâncias mostraram boa ação", afirma.

A outra opção, relacionada à injeção de álcool absoluto, não é capaz de controlar adequadamente o quadro, além do grande risco. O especialista, explicou, ainda, que a doença é realmente rara e que o Hospital das Clínicas está entre os poucos centros especializados do País.

"Aqui, nosso estoque também acabou há pelos menos três meses. Os acompanhamentos continuam para evitar complicações. Como é uma doença congênita, ela fica estável, mas pode ser exposta a infecções quando apresentadas na língua, por exemplo".

O risco, segundo Netto, é a falta de diagnóstico. Em crianças, quanto mais demora em corrigir essas malformações, mas causará agravantes que modificam a estrutura óssea, mesmo não sendo comum a cura da doença. "Procuramos tirar essas lesões maiores e as menores, que são microcísticas, seguimos clinicamente. É um controle", finaliza o especialista.

Outro lado

Por meio de nota, a Anvisa informou que "a importação desses medicamentos foi suspensa em razão de problemas, que podem acarretar riscos à saúde da população", escreveu, via assessoria de imprensa. As irregularidades foram encontradas durante inspeção sanitária nas fábricas dos dois países.

No entanto, a Agência indicou que, assim que os fabricantes efetuarem a correção, poderão voltar a ser importados normalmente. Até lá, a autorização pontual tem sido feito para remédios com princípio ativo bleomicina. "Se o caso em questão envolver a distribuição pelo SUS [Sistema Único de Saúde], recomendamos, então, que procure a referida secretaria de Saúde", finalizou.


Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Veja também