Aguarde...

ACidadeON

Voltar

Cotidiano

Mancha Alviverde, torcida ligada ao Palmeiras, é campeã do Carnaval

Agremiação teve injeção maciça de recursos da patrocinadora do Verdão; Já a Vai-Vai foi rebaixada pela primeira vez

| ACidadeON/Ribeirao

 
Antes que a Mancha Verde entrasse na avenida, no sábado (2), seu presidente, Paulo Serdan, disse que ninguém tiraria o título da escola desta vez. E ele estava certo. Com posições cada vez melhores nos últimos anos, a Mancha conseguiu seu primeiro título do Carnaval em 2019.

A melhora de desempenho da Mancha Verde a cada ano se explica, em grande parte, pela ajuda financeira que passou a receber da Crefisa, patrocinadora do Palmeiras. A escola é uma extensão da torcida organizada do clube.

O dinheiro doado para a organizada faz parte da estratégia da dona da Crefisa, Leila Pereira, de conseguir apoio na política do Palmeiras. Para o desfile de 2019, doou R$ 3,5 milhões para que a Mancha fizesse seu desfile. Desde 2016, quando começou a passar dinheiro para a organizada, já deu mais de R$ 6 milhões.

Na avenida, a escola usou o enredo "Oxalá, salve a princesa! A saga de uma guerreira negra" para contar a história da princesa africana Aqualtune, e, por meio dela, discutir escravidão, intolerância religiosa e direitos humanos. Para este ano, a Mancha contratou o renomado carnavalesco Jorge Freitas.

A escola apostou em fantasias com texturas que supostamente remetiam à tradição africana, com cores arenosas e terrosas e padrões de pele de onça e de tigre. Máscaras africanas despontaram de todos os lugares. A riqueza de detalhes foi um ponto forte.

A religiosidade também teve papel de destaque no desfile, com Iemanjá como principal atração em um dos carros e Nossa Senhora do Rosário em outro.

MUITA TRISTEZA

A Vai-Vai, maior campeã do Carnaval paulistano, com 15 títulos, foi rebaixada pela primeira vez em sua longa história, iniciada em 1930, como bloco de cordão.

A escola amarga o primeiro rebaixamento com "O Quilombo do Futuro", enredo em que dizia que o futuro pertence aos povos filhos de África.

O baixo desempenho no último ano, com uma homenagem a Gilberto Gil, foi especialmente decepcionante para a escola, que terminou na décima colocação.

A escola teve dificuldades com alguns carros alegóricos e chegou a parar em alguns momentos. Mas o ótimo samba, o ritmo intenso da bateria e o enredo garantiram um dos melhores retornos do público neste ano, com muita cantoria e agitação de bandeirinhas.

A herança dos povos africanos foi exaltada em todo o primeiro setor da escola. Um segundo setor aberto por um carro alegórico lembrava a diáspora negra e a travessia do Atlântico. No fundo desse carro, uma escultura de Iemanjá acalentava uma criança negra.

Nessa fase do desfile, foi lembrada a luta negra por direitos civis. Uma ala formou um mosaico com uma foto da vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em 2018.

Um terceiro setor indicava que o futuro do mundo e da humanidade depende da sabedoria negra: o futuro é negro.

A última ala da escola tinha uma das fantasias mais simples e emblemáticas do desfile e representava universitários negros, de beca e diploma na mão.

Você pode ajudar o jornalismo sério

A missão do ACidade ON é fazer um jornalismo de qualidade e credibilidade. Levar informação confiável e relevante, ajudar a esclarecer e entender os fatos, sempre na busca de transformação. E o seu apoio é fundamental. Ajude-nos nessa missão para construir uma sociedade mais crítica e bem informada.

Apoie o bom jornalismo.

Já é assinante? Faça seu login.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso. Para mais informações, consulte nosso TERMO DE USO"

Facebook

Mais do ACidade ON