Aguarde...

Cotidiano

Covid-19: Médica explica os riscos da doença cardíaca

Profissional do HC de Ribeirão Preto diz que pacientes com enfermidade no coração são mais suscetíveis ao vírus por já apresentarem imunidade alterada

| ACidadeON/Ribeirao

Pessoas com doença cardíaca são considerados grupo de risco para covid (Foto: PublicDomainPictures / Pixabay)
 
A cardiologista Ana Paula Otaviano, médica assistente da UTI Covid do HC (Hospital das Clínicas) de Ribeirão Preto, explicou que os pacientes com doenças cardiovasculares são mais predispostos a uma forma mais grave da covid-19 por já apresentarem alterações na imunidade e terem um quadro inflamatório crônico. 


"Além disso, o próprio vírus pode atacar o coração, causar uma miocardite, que seria uma inflamação no músculo, a pericardite, que seria uma inflamação no pericárdio, e quadros semelhantes a infartos. O vírus poderia levar a descompensação das doenças cardiovasculares que antes estavam compensadas. Isso poderia piorar o quadro do doente que já têm uma doença cardíaca grave", afirmou. 

LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE A PANDEMIA DO NOVO CORONAVÍRUS

Dados da Secretaria Municipal da Saúde mostram que a doença cardiovascular crônica é o principal fator de risco que  agrava a covid-19 em casos que resultaram em mortes na cidade.

Dos 233 pacientes que vieram a óbito até o último domingo (12), 111 apresentavam doença no coração, o que representa 47,6% no quadro de comorbidades. 

Ribeirão e o mundo

A médica disse que os dados observados em Ribeirão para a covid-19 acompanham uma tendência mundial em relação às comorbidades dos pacientes.

"Dados americanos mostram que, entre os hospitalizados, mais de 50% dos casos teriam doenças crônicas. Desses, 40% seriam doenças cardiovasculares ou cerebrovasculares", explicou Ana Paula.

A cardiologista aproveitou para reforçar que o isolamento social continua como o melhor a ser feito neste momento, principalmente entre as pessoas de grupos de risco.

"O isolamento domiciliar seria a melhor forma de prevenir, a medida mais efetiva. Evite aglomeração e, se precisar sair apenas em caso de emergência, use a máscara. Procure evitar contatos com pessoas que possam estar contaminadas", alertou a médica. 

VEJA TAMBÉM  

Doença cardíaca é a principal comorbidade de mortos por covid

Mais do ACidade ON