Publicidade

cotidiano

Sem acordo: Veja como fica a greve dos motoristas em Ribeirão

Motoristas de ônibus de Ribeirão Preto continuam em greve e nova audiência para discutir a paralisação foi marcada

| ACidadeON/Ribeirao -

Continua a greve de motoristas em Ribeirão Preto (Foto: Divulgação/CCS)
 *Notícia atualizada às 18h45 de 22/06/2022. 

Terminou sem um acordo a reunião de conciliação entre os motoristas e as empresas de ônibus de Ribeirão Preto, que foi realizada na tarde desta quarta-feira (22), no TRT-15 (Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região), em Campinas. 

Com isso, os motoristas continuam em greve e a frota do transporte coletivo em Ribeirão Preto continua funcionando de forma parcial, com 50% dos veículos nas ruas nos horários de pico (entre 6h e 8h e 17h e 19h) e 35% nos outros períodos do dia.  
 
VEJA TAMBÉM 
 
Vacina: Ribeirão tem agendamento para pessoas com mais de 40 anos 
   

Com provas em Ribeirão Preto, PM abre concurso com 2,7 mil vagas
   

"Não virou nada, não houve acordo", disse o presidente do (Sindicato dos Empregados do Transporte Urbano de Ribeirão Preto), João Henrique Bueno ao acidade on Ribeirão, após o término da reunião.  

Ele afirmou que a audiência foi suspensa pelo TRT-15, que marcou outra reunião para terça-feira (28), às 13h30. Na próxima reunião, a Prefeitura de Ribeirão Preto também deve participar das discussões.  

"Infelizmente, a greve continua do jeito que está. 50% no horário de pico e 35% nos demais horários", declarou Bueno. "Houve muitas discussões aqui, mas nenhuma que pudesse ser aceita. Negociação é assim mesmo", declarou.  

Por meio de nota, o consórcio PróUrbano disse que não tem condições de avançar em valores nas negociações e que "fez todos os esforços possíveis para não deixar a população sem atendimento".  

Contudo, informou que pode oferecer o percentual máximo de 12,47% na recomposição dos salários, por conta do "período crítico em que vive o país, bem como todo o sistema de transporte".  

A greve 
 
A greve foi deflagrada pelos trabalhadores das empresas de ônibus na última terça-feira (21), que recusaram a proposta de reajuste dos salários em 12,47% - os motoristas pedem que a recomposição também seja aplicada no vale-alimentação e no PLR (Programa de Participação de Lucros e Resultados). 
 
Inicialmente, todo o serviço de transporte coletivo em Ribeirão Preto foi suspenso. Contudo, uma decisão do desembargador Francisco Alberto da Motta Peixoto Giordani, a pedido do sindicato patronal que representa as empresas de ônibus, parte da frota passou a operar nesta quarta-feira (22). 
 
LEIA MAIS 
 
Furgão tomba após batida com carro na zona Sul de Ribeirão Preto



Publicidade