Leite dispara e Ribeirão Preto acumula 18 meses de alta nos preços

Período de entressafra da produção deixa o produto como o vilão no último levantamento do IPC

    • ACidade ON
    • Gabriela Virdes
Camila Teruel, com o marido Deivid, diz que tem diminuído o consumo de itens supérfluos para garantir o leite na mesa (Foto: F.L. Piton / A Cidade)

 

O consumidor que acompanha de perto o preço nas gôndolas dos supermercados tem se assustado com as altas no preço do leite, que segue como o grande vilão do bolso do ribeirão-pretano.

Há 18 meses o município acumula alta nos preços. Em junho, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou em 0,839%, registrando inflação e aumento no custo de vida.

“O leite teve uma variação bem expressiva e é o grande vilão do mês passado. Isso acontece porque estamos em períodos de entressafra, então já era uma contribuição positiva esperada”, afirma Fred Guimarães, economista da Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto (Acirp).

E quem sofre é o consumidor. A família da empresária Camila Teruel, de 33 anos, consome um litro de leite por dia. “Dá praticamente uma caixa de 12 unidades a cada 15 dias, por isso sinto a alta do preço”, comenta.

Camila conta que, há dois meses, pagava R$ 2,89 pelo litro de leite. “Agora, está R$ 4,99. É uma diferença muito grande e que pesa demais no orçamento, ainda mais se tratando de algo que se consome todo dia”, frisa.

Para ela, não tem como tirar o leite da mesa e nem mesmo reduzir seu consumo. “Para minimizar o reajuste, tenho deixado de comprar itens supérfluos para garantir a compra dos itens básicos”, explica.

A dona de casa Amanda Kleinfelder, de 33 anos, também consome muito leite. “Tenho duas crianças, então consumo duas caixas, de 12 unidades, a cada 15 dias”, diz. Em sua última compra, ela gastou R$ 95 só com o leite.

“Procuro sempre por promoções, pois não consigo reduzir o consumo”, afirma. “Diminuo as despesas com outros itens para manter o leite”, completa.

A recomendação da Associação Paulista de Supermercados (APAS) para os consumidores é pesquisar os preços do leite em diversos pontos de venda para encontrar o menor preço ou promoções que possibilitem a compra do produto com o menor valor de reajuste.

Causa

O principal fator para a elevação do preço do produto é o período de entressafra, quando a produção do leite é reduzida. Com isso, a oferta e a disponibilidade do produto no mercado diminuem e provocam o aumento do preço.

Semestre acumula alta de 3,9% na inflação

A inflação em Ribeirão Preto segue pressionando o orçamento das famílias. Em junho, a cidade registrou o segundo maior resultado do ano, com índice de 0,839%, segundo o IPC-Fipe/Acirp, puxado pelo leite, plano de assistência médica, etanol e feijão.

“O resultado ficou acima do imaginado, principalmente por causa do reajuste dos planos de saúde, que era esperado em julho, mas veio antes”, afirma Fred Guimarães, economista da Acirp.

No primeiro semestre deste ano, a inflação acumulada na cidade é de 3,9%. “E o impacto disso é muito grande, pois temos uma sequência de 18 meses de inflação afetando o bolso do consumidor”, explica Fred.

No mês passado, o leite teve reajuste de 16%, seguido pelos planos de saúde (13,5%), etanol (12,6%) e pelo feijão, que subiu 18% no mês. Dentre os produtos que aliviaram as contas estão o mamão, com queda de 42,5%, automóvel usado (-3%), cenoura (-40%) e uva (-15%).

Expectativa

Fred afirma que o cenário econômico é incerto e que, por isso, é difícil fazer previsões para os próximos meses. “Mas, acredito que a inflação de julho não seja tão alta, podendo até ter uma deflação”, diz.

Essa possibilidade existe, segundo o economista, por causa da queda nos preços dos combustíveis e das promoções no mercado de alimentos. “Por outro lado, também podemos dizer que do jeito que está a economia e o País, este é um cenário ideal para o aumento de preços”, pondera.

Tanto que Fred aposta em uma variação de -0,2% a 0,3%, puxado pelo aumento dos preços do feijão, do ônibus interurbano, do pedágio, das taxas de correios e do leite. “O cenário é de muita incerteza e insegurança”, frisa.

 

Dicas para economizar

Segundo o economista Fred Guimarães, o consumidor continuará sofrendo com a alta dos preços. “Mas, para minimizar os efeitos, ele deve buscar soluções criativas, fazer substituições, cortar ou substituir”, diz. “Deve ser atento aos valores dos produtos para ter o orçamento controlado”, reforça.

Fred garante que o consumidor tem o poder de derrubar a inflação. “Para isso, ele deve evitar comprar ou reduzir o consumo dos produtos que estão em alta, priorizando aqueles que estão em queda”, finaliza.

RECEITA > Bolo de Chocolate sem Leite

Ingredientes
- 3 ovos
- 1 xícara de óleo
- 1 xícara de água
- 2 xícaras de açúcar
- 1 xícara de achocolatado
- 2 xícaras de farinha de trigo
- 1 colher de fermento em pó

Para a calda
- 1 xícara de açúcar
- 2 colheres de manteiga
- 3 colheres de achocolatado
- 3 colheres de água
- 1 colher de licor de cacau

Modo de preparo
Bater o ovo, óleo, água, açúcar e achocolatado no liquidificador. Colocar a mistura em uma tigela e misturar, aos poucos, a farinha de trigo e, por fim, o fermento em pó. Colocar o preparo em uma assadeira untada com manteiga e farinha. Levar ao forno por aproximadamente 40 minutos. Para fazer a calda, basta misturar todos os ingredientes, levar ao fogo e misturar até a calda engrossar. Depois de pronta, despejar sobre o bolo.


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.