Aguarde...

ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

Cotidiano

Mais uma testemunha diz que Isaac usou esquema para obter votos

ACidade ON teve acesso ao que falou o vendedor Willians Silva de Souza, que assistiu reuniões com tratativas para o vereador conseguir votos

| ACidadeON/Ribeirao

 

 

 

Vereador Isaac Antunes (PR)  é investigado pela Polícia Federal por suspeita de crime eleitoral

Mais um depoimento colhido pelos responsáveis pela Operação Têmis confirma a participação do vereador Isaac Antunes do esquema de fraudes para obtenção de votos nas eleições 2016. O parlamentar é alvo de inquérito na Polícia Federal por suposto crime eleitoral.  

O ACidade ON teve acesso ao depoimento do vendedor Willians Silva de Souza, feito no dia 9 de fevereiro. Ele atuou indicando possíveis clientes para o advogado Gustavo Caropreso, um dos dez denunciados à Justiça pela Têmis.  

Willians afirma no depoimento que assistiu reuniões com a participação dos denunciados. "Eles tratavam da aquisição de outras associações (como a Neo Price e a Limpe Seu Nome), tudo para captar eleitores para Isaac", aponta Willians.  

No princípio, os advogados queriam eleger um vereador pelo PPL, mas no final resolveram apoiar Isaac, mesmo ele sendo do PR. Em uma das reunião, de acordo com Willians, foi falado que "se tudo desse certo,  
Isaac poderia, futuramente, concorrer para prefeito".  

"Nessas reuniões eles combinaram que Isaac passaria a ser dono da associação Muda Ribeirão, para ao mesmo tempo buscar apoio eleitoral para Isaac e clientes para o escritório", consta no depoimento.  

De acordo com o promotor Aroldo Costa Filho, um dos responsáveis pela Têmis, toda a documentação obtida ao longo da investigação que aponte a participação de Isaac no esquema será encaminhada à Polícia Federal.  

O ACidade ON não conseguiu localizar Isaac nesta quarta-feira (14), mas em entrevistas anteriores o vereador negou participação no esquema. Na semana passada, a assessoria do parlamentar ainda emitiu a seguinte nota: "Nós já falamos tudo o que tínhamos que falar, a partir deste momento vamos aguardar a Justiça".
 
ENTENDA O CASO:
 
Do que Isaac é acusado?
Isaac é acusado de crime eleitoral, por ter, supostamente, usado o movimento Muda Ribeirão para obter votos. O vereador, quando pré-candidato, percorria os bairros oferecendo serviço para limpar o nome das pessoas de forma gratuita. Há um entendimento que com isso ele ganhou inúmeros votos.
 
O que diz Isaac?
O vereador nega. Ele alega que o Muda Ribeirão é um movimento social que percorre os bairros de Ribeirão Preto ajudando as pessoas com vários serviços gratuitos.  

 

 

 

Quem investiga Isaac?
Isaac está sendo investigado em inquérito da Polícia Federal (PF) por suposto crime eleitoral. O pedido de apuração foi feito pela Justiça Eleitoral com base na Operação Têmis. O Conselho de Ética da Câmara de Ribeirão Preto também abriu procedimento para investigar o caso.  

Isaac é denunciado na Operação Têmis?
Não. Isaac, até o momento, não é formalmente investigado pela Têmis. Ele também não está entre os dez denunciados pela promotoria à Justiça.  

Quem são os denunciados da Têmis?
- Renato Rosin Vidal - advogado civil
- Klaus Philipp Lodoli - advogado civil
- Gustavo Caropreso Soares de Oliveira - advogado civil
- Angelo Luiz Feijó Bazo - advogado civil
- Thales Vilela Starling - advogado criminalista
- Douglas Martins Kaufmann - advogado criminalista
- Ramzy Khuri da Silveira - Khuri Recuperadora de Ativos
- Luiz Felipe Naves Lima - Consultoria Neo Price
- Ruy Rodrigues Neto - Neo Price e Associação Pode Mais (Limpe Seu Nome)
- Clóvis Angelo, vulgo "Capitão" - Responsável por recrutar captadores de clientes para o Escritório LCBV

Do que os denunciados são acusados?
De utilizar cadastros de pessoas (inclusive os recolhidos na caravana Muda Ribeirão) para distribuir mais de 50 mil ações fraudulentas que gerariam um prejuízo estimado em R$ 100 milhões para várias empresas. Eles são denunciados por organização criminosa, estelionato, falsidade ideológica, fraude processual e violação do sigilo bancário. Todos eles negam os crimes

FONTE: A Cidade
 

Veja também