Aguarde...

cotidiano

Thiago deu a volta por cima após perder o emprego na pandemia

Ao ficar desempregado em março, o pai de cinco filhos se viu obrigado a trabalhar cortando cana na região de Ribeirão Preto

| ACidadeON/Ribeirao

Thiago foi demitido em março deste ano por causa da pandemia (Foto: arquivo pessoal)
 
Acostumado a andar de mesa em mesa e a fidelizar clientes na noite de Ribeirão Preto, Thiago Gabriel da Silva, de 35 anos, aprendeu desde cedo a lidar com o público de bares e restaurantes. Foi nesse ramo, inclusive, que passou de aprendiz para atendente, gerente e atuou por quase 15 anos seguidos - até a chegada da pandemia do novo coronavírus (covid-19). 

 
A demissão veio ainda em março de 2020, de forma repentina, e deixou o pai de cinco filhos sem muitas opções financeiras. A única oportunidade encontrada em um dos períodos mais incertos das últimas décadas foi o de colhedor independente em lavouras e roças da região.  

"Fiquei semanas mandando currículos e fazendo ligações, mas ninguém estava contratando. Por isso, passei a cortar cana, colher cebola e laranja com um grupo que sai todos os dias de Serrana, às 7h, para trabalhar. Foi o que consegui para manter minha família", explica.  

À seção Boas Histórias do ACidade ON, Thiago diz, ainda, que ganhava R$ 50 por dia e aprendeu na pele a depender do campo para viver.  

"A pior parte era quando as cobras apareciam, mas posso te dizer que era um emprego disputado. Tinha filas de espera para entrar nesse grupo, tamanha a onda de desemprego e pessoas desesperada para se sustentar nos últimos meses", completa.  

Foram mais de 200 dias nessa rotina, até que o proprietário do Américos Bar, estabelecimento localizado no Centro de Ribeirão Preto, onde o então desempregado já havia trabalhado em 2018, ofereceu à ele uma nova oportunidade. E não qualquer uma: a de gerente comercial.  

Hoje, Thiago explica que ainda vai levar alguns meses para colocar as contas acumuladas neste período em ordem, já que a renda de casa caiu consideravelmente sem a presença de um pagamento fixo. A felicidade de voltar ao mercado de trabalho, no entanto, compensa os obstáculos impostos pela covid-19 não só à ele, mas a milhares de pessoas em todo o Brasil.  

"Estamos acertando as coisas ao poucos, mas pelo menos tenho estabilidade e estou trabalhando com o que eu sei fazer de melhor. Então, não posso reclamar. Foi difícil, mas consegui superar essa fase difícil que foi 2020", finaliza o mais recém-gerente de Ribeirão Preto.

Mais do ACidade ON