ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Operação de combate ao narcotráfico prende dois em Ribeirão Preto

Um dos presos é Alcino José Barreto, de 47 anos, apontado pela PM como um dos chefes do tráfico no bairro Dom Mielle

| ACidadeON/Ribeirao


 

Notícia atualizada às 12h30

Dois homens foram presos nesta sexta-feira (14) durante etapa regional da Operação Recadastro, deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) para cumprimento de mandados judiciais de prisão e de busca e apreensão expedidos pela Justiça Criminal de Ribeirão Preto, Araraquara e Jaboticabal, nas respectivas cidades. 
Segundo a PM (Polícia Militar), um dos presos é Alcino José Barreto, de 47 anos. Ele é apontado como um dos chefes do tráfico no bairro Dom Mielle, zona Oeste de Ribeirão. Na casa dele, no Parque dos Pinus, região Norte, foram apreendidas porções de maconha e cocaína, além de dinheiro e cápsulas vazias para embalar drogas. 

A segunda outra prisão ocorreu na Vila Elisa, também na zona Norte. José Paulo da Silva, 31, era procurado por tráfico, de acordo com a polícia, mas não havia mandado contra ele nesta operação.   

Um terceiro procurado - João Lucas Bento da Silva, o JL ou Lucas - permanece foragido da Justiça. Além de dois mandados de prisão, também foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em Ribeirão.   

R$ 25 mil em casa

Em uma casa na rua Itanhaém foram apreendidos aproximadamente R$ 25 mil em dinheiro, que seria da movimentação tráfico de drogas, além de uma espada.   

O dinheiro estava em vários envelopes com indicação de que seriam referentes à mensalidade que integrantes pagam mensalmente à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), bem como listas com indicação de integrantes, seus municípios e os valores arrecadados. Na mesma casa foram achadas, ainda,  munições de calibre 380 e um litro de éter, substância utilizada na mistura da cocaína. 
 
Em outro imóvel foi apreendido quase meio quilo de maconha, porções de cocaína, e mais de mil cápsulas plásticas para embalar cocaína, balança de precisão e instrumentos para embalagem da droga, além de dinheiro e anotações do tráfico.

Segundo o Gaeco, os investigados podem responder por crimes de organização criminosa (com pena de três a oito anos de prisão), tráficos de drogas (cinco a 15 anos), associação ao tráfico (três a dez anos) e lavagem de dinheiro (três a dez anos). Somadas, as penas podem chegar a 73 anos de prisão.

Os presos foram levados para a CPJ (Central de Polícia Judiciária) da rua Duque de Caxias para o registro da ocorrência.     

Participaram da operação seis promotores de justiça, 39 policiais militares do 51º BPMI (Batalhão de Polícia Militar do Interior), 3º BPMI e 13º BPMI, com 12 viaturas.


Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook