Aguarde...

ACidadeON

Voltar

cotidiano

Vigilantes de três cemitérios paralisam as atividades em Ribeirão

Protesto foi organizado em frente ao memorial da Saudade por conta de atrasos salariais ocorridos desde janeiro

| ACidadeON/Ribeirao

Paralisação reivindica atrasos salariais (Foto: divulgação)
 

NOTÍCIA ATUALIZADA ÀS 13H20 

Os 34 vigilantes dos três cemitérios mantidos pela Prefeitura de Ribeirão Preto iniciaram um protesto na manhã desta segunda-feira (25), em frente ao memorial da Saudade, para reivindicar atrasos salariais.  

De acordo com José Ângelo Pita, do Sindicato dos Trabalhadores em Serviços de Segurança e Vigilância, o vencimento que deveria ter sido pago pela empresa terceirizada Dorio no último 5º dia útil ainda não foi debitado aos trabalhadores.  

"E não é a primeira vez que isso acontece. Desde janeiro, quando foi firmado o contrato com o município, temos registrado atrasos", afirma.  

Por isso, um documento foi protocolado na última sexta-feira (22), onde uma reunião entre os sindicalistas, representantes da classe e a administração pública foi convocada às 10h, na sede da entidade, a fim de debater o assunto.  

Caso os pagamentos não sejam acordados nessa assembleia, o comunicado afirma que nenhum vigilante assumirá plantões a partir das 19h desta segunda (25). A medida é válida para os cemitérios da Saudade, Bom Pastor e de Bonfim Paulista.  

"O único posicionamento que nos deram até o momento é que os pagamentos ainda não foram feitos porque a prefeitura não fez o repasse da verba, mas queremos o que é dos vigilantes por direito", finaliza Pita.  

Outro lado  

ACidade ON tentou entrar em contato com a empresa terceirizada Dorio Vigilância e Segurança Patrimonial, acusada pelos funcionários de não pagar os salários do mês, porém, não obteve sucesso.  

Por meio de nota, a Secretaria da Fazenda informou que "o pagamento referente ao mês de outubro à empresa que presta serviço de vigilância nos cemitérios de Ribeirão Preto e Bonfim será efetuado nesta segunda-feira, dia 25".  

Disse, ainda, "que não há justificativa legal para paralisação".       

Mais do ACidade ON