Aguarde...

cotidiano

Escola de dança abre as portas para jovens carentes de Ribeirão

Trajetória de Diego, que foi bolsista por mais de 10 anos, levou o bailarino a abrir o próprio espaço de dança e criar um projeto social de apadrinhamento

| ACidadeON/Ribeirao

Escola tem 59 alunos; destes, 20 são apadrinhados (Foto: Júlia Fernandes/ACidade ON)
 
 
Em mais uma reportagem da série ON Nos Bairros, ACidade ON visitou um espaço de dança particular, instalado no Centro de Ribeirão Preto, que criou um meio de abrir as portas também para crianças e jovens carentes.  

Aos 12 anos, Diego Pradella entrou pela primeira vez em uma academia de dança e teve acesso às ferramentas que, atualmente, são seu "ganha-pão".  

Disciplina, determinação e um toque de flexibilidade são só algumas delas.  

Ser persistente também foi necessário para seguir como bailarino em Ribeirão Preto. "Sou o primeiro da minha família a ter acesso à cultura. Encontrei dificuldades ao longo do caminho, mas corri atrás e passei a viver disso", diz.  

Natural de Franca, ele foi bolsista por mais de 10 anos - mérito que o levou para fora do Brasil, em companhias profissionalizantes do Canadá e da Alemanha, e que despertou nele a vontade de ajudar outras crianças sonhadoras.  

Hoje, aos 32, é proprietário de uma escola de dança no Centro da cidade, localizada na rua Florência de Abreu, e fundador de um projeto que une solidariedade e aulas de ballet, jazz e contemporâneo.  

"Sempre soube que só faria sentido abrir minha escola se pudesse ajudar jovens carentes, que não têm condições de pagar os estudos. Por isso, fiquei mais de seis meses aperfeiçoando a parte administrativa dos negócios e tive a ideia de captar pessoas e convidá-las a apadrinhar determinados alunos. Nós pedimos indicações de instituições sociais e elas bancam a mensalidade", explica o idealizador.   

Meta do projeto é dobrar o número de alunos apadrinhados até o final do ano (Foto: Júlia Fernandes/ACidade ON)

 
A ação, que não tem ligação com o Poder Público, já beneficia 20 bailarinos em formação e também não tem limite de idade. Grande parte, porém, tem entre 3 e 20 anos.  

Ao todo, há 59 matrículas ativas no espaço de dança [entre pagantes e não pagantes]. Nove homens e 50 mulheres. 

Projeto em expansão  

Com o objetivo de propagar a cultura e repassar os fundamentos da dança clássica para crianças de todas as regiões de Ribeirão Preto, Diego pretende dobrar o número de apadrinhamentos até dezembro deste ano.  

De acordo com ele, os financiadores preferem o anonimato na maioria dos casos, mas podem acompanhar a evolução dos alunos sempre que quiserem. Já a triagem dos candidatos é feita em parceria com instituições sociais, mediante comprovação de renda.  

"Eu busco não apenas ensinar passos e o conceito do ballet clássico, mas fomentar um convívio social melhor e mais inclusivo. Essa questão de bolsista e não bolsistas, aqui na minha escola, não é aberta. Todos recebem o mesmo tratamento e têm acesso às mesmas aulas e oportunidades. Acredito que assim podemos ser melhores", finaliza Diego Pradella.  

Mais informações: Espaço de Dança Diego Pradella


Mais do ACidade ON