Publicidade

cotidiano

Capitólio: Veja quais são as áreas que estão proibidas para visitação

Prefeitura interditou acessos aos cânions de Furnas e à cascata de água por tempo indeterminado até a conclusão do parecer técnico da Defesa Civil

| ACidadeON/Ribeirao -

 

MPMG abriu inquérito para apurar acidente que matou 10 turistas em Capitólio - Foto: Bombeiros de Minas Gerais

Depois da queda do paredão de rocha que atingiu uma embarcação e matou 10 turistas no Lago de Furnas, no último sábado (8) em Capitólio (MG), a Prefeitura da cidade interditou os acessos aos cânions de Furnas e à cascata de água, também conhecido como Cascatinha.  

Em entrevista ao portal G1, o prefeito de Capitólio, Cristiano Geraldo da Silva (Progressista) disse que os locais seguirão interditados até que haja um parecer técnico da Defesa Civil sobre as condições do local. "Precisamos de um parecer técnico, de uma equipe técnica, para ter uma avaliação do local e a partir daí criarmos critérios de segurança já pensando em uma fatalidade como essa", explicou Cristiano.  

VEJA TAMBÉM - Identificada as dez vítimas do acidente em Capitólio; Veja fotos

Em seu perfil oficial nas redes sociais, a Prefeitura reforça que não há proibição dos passeios náuticos na cidade, mas sim das áreas próximas ao acidente. "Por meio oficiais comunicamos que notícias a respeito do fechamento geral dos passeios náuticos não são verídicas. Salientamos que apenas os Cânions de Furnas e a Cascata de D'Água estão interditadas (...)", escreve.     

Para retomar o turismo na região, os prefeitos de cidades da região se reuniram no início desta semana com membros da Marinha, Defesa Civil Regional e Estadual para discutirem sobre novas medidas de segurança. A ideia é mapear as áreas de risco, para a prevenção de acidentes.  

Investigação 

O acidente já começou a ser investigado pela Polícia Civil e Marinha. Os prefeitos de Capitólio, Furnas e São José da Barra foram intimados a prestar depoimento. 

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Piumhi, também instaurou um inquérito civil para apuração dos fatos. 

Mais notícias


Publicidade