Aguarde...

cotidiano

Comerciante distribui 50 kg de bananas no Centro e Ribeirão

Cestos com a fruta e um aviso para que as pessoas sem dinheiro levassem o produto foram colocados em frente à loja; atitude beneficiou moradores de rua

| ACidadeON/Ribeirao

 

Cestos com bananas e aviso foram colocados em frente à loja (Foto: Rede social)

Uma comerciante da região central de Ribeirão Preto teve uma atitude nobre em meio à quarentena causada pela pandemia do novo coronavírus. 

Priscilla Barbosa, de 27 anos, decidiu distribuir bananas orgânicas na porta de seu estabelecimento a pessoas que não tinham dinheiro para comprar.  

Ela disse que apenas nesta terça-feira (7) conseguiu esgotar a quantidade da fruta que tinha no seu estabelecimento voltado para a a agricultura familiar, localizado na rua Bernardino de Campos, 676.  

"Com os comércios fechados, a situação dos moradores de rua ficou mais evidente. A cidade está vazia, mas infelizmente você vê muito morador de rua andando por aí", afirmou.  

A comerciante relatou que tinha uma grande quantidade do produto e não sabia o que fazer, pois é perecível.  

Ideia e ação  

Ela contou que o seu marido, então, deu a ideia de colocar dois cestos cheios da fruta em frente ao comércio e o seguinte aviso: "Se você não tem dinheiro para levar essa banana deliciosa, leve de graça e se alimente".  

Foi um sucesso e em boa hora. "Os moradores de rua começaram a pegar e também os nossos clientes, mas muitos deles resolveram pagar como forma de contribuir com a gente também", disse.  

Para a comerciante, esse é um momento oportuno para a prática de boas ações.  

"Se cada um fizer a sua parte e doar aquilo que tem em casa, na dispensa, ou até mesmo nas lojas e comércios a gente vai sair melhor dessa, porque atinge muito mais as pessoas vulneráveis. O mínimo que seja: quanto vale uma penca de banana? É o menos que as vezes é mais", completou.  

Priscilla acrescentou que também terá máscaras disponíveis para doação produzidas por costureiras. 

"Não é em grande quantidade porque é um trabalho artesanal. Quem não tem dinheiro para comprar, pode levar as máscaras também", disse. O produto deve estar na loja nos próximos dias, segundo a comerciante.

Mais do ACidade ON