Aguarde...

cotidiano

Em visita a Ribeirão, secretário inaugura 13 novos leitos de UTI

Análise otimista da Marco Vinholi dá indício de progressão no Plano São Paulo e possível flexibilização da quarentena

| ACidadeON/Ribeirao

Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (Foto: Renato Lopes/Especial)
 

O secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, anunciou nesta terça-feira (4), durante coletiva de imprensa no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, a abertura de 13 novos leitos de UTI para a ala covid-19.  

As vagas serão destinadas exclusivamente ao tratamento de pacientes contaminados pelo novo coronavírus e devem ser cruciais para a próxima avaliação do Plano São Paulo. O anúncio do Governo Estadual está marcado para sexta-feira (7).  

"Nós vamos analisar os números da semana, mas acreditamos que a região tem capacidade para passar direto para a fase amarela [onde, além do comércio, bares e restaurantes também podem retomar as atividades econômicas]", adianta o secretário.  

"Esses níveis de ocupação de leitos têm caído contundentemente ao longo dos últimos dias e há uma melhora a vista", completa.  

Na opinião otimista de Vinholi, Ribeirão Preto, que está há oito semanas na fase vermelha do monitoramento estadual - a mais restritiva de todas -, pode ter encontrar um plator da doença e começado a apresentar estagnação dos dados de contágio, internação e morte por covid-19. 
  
"Apesar de elevados, os índices mostram um plator e já dão sinais discretos de uma linha de inflexão. Ou seja, de queda", finaliza.  

Procurado pelo Grupo EPTV, Fernando Vilar, médico do Hospital das Clínicas, diz que o controle das taxas de lotação dos hospitais pode não ser um indicativo real da situação do município e que a pandemia continua em alta.  

"Essa diminuição da taxa de ocupação de leitos é um reflexo da quantidade de vagas abertas nos últimos dias, não da queda de pacientes. Se estivéssemos com o mesmo número de leitos do mês passado, estaria tudo lotado. Então, é fato que o vírus continua circulando e que essa melhora das estatísticas pode trazer uma segurança falsa de melhoria para a população", afirma.   


Mais do ACidade ON