Especial Covid-19

Especial Coronavirus

Estudo da USP identifica remédio que ajuda no combate à covid

Pesquisa foi desenvolvida no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto entre os meses de abril e junho; especialistas viram diminuir tempo de internação de pacientes

| ACidadeON/Ribeirao -

Ala de internação do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (Foto: divulgação/HCRP)
 
Um estudo desenvolvido por pesquisadores da FMRP (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto) da USP (Universidade de São Paulo) aponta que o remédio anti-inflamatório colchicina pode auxiliar no aceleramento da recuperação de pacientes infectados com o novo coronavírus (covid-19).  

CLIQUE AQUI E LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE RIBEIRÃO PRETO
 
De acordo com o estudo, desenvolvido com apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), foi observado que voluntários tratados com o medicamento ficaram livres da suplementação de oxigênio antes dos pacientes que receberam o protocolo terapêutico padrão adotado no tratamento da covid-19.  

O medicamento já é utilizado no tratamento de pessoas que sofrem com a gota (doença que causa inflamação nas articulações). Os especialistas já conhecem os efeitos adversos da colchicina, considerando-o seguro.  

Segundo os pesquisadores, a ideia de utilização do remédio partiu da intenção de diminuir o grau de inflamação verificado nos pacientes.
 
De acordo com o médico Paulo Louzada Júnior, um dos autores da pesquisa, esse tratamento foi utilizado apenas em pacientes internados e não foi testado na forma de prevenção da covid-19. Contudo, ele salienta a importância na dinâmica da utilização de leitos nos hospitais. 
 
"Observamos que eles [pacientes voluntários] tiveram um tempo menor de internação e usaram menos oxigênio neste período. Pode gerar uma economia importante", explicou Louzada. 
 
A pesquisa 

O estudo foi realizado junto a voluntários internados no HCRP (Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto) entre os dias 1º de abril e 6 de junho. Ao todo, foram 38 participantes divididos em dois grupos. Ambos receberam o tratamento padrão adotado pelo hospital, contudo, em um dos grupos foi adicionado a colchicina.  

Pacientes que precisaram de intubação e realizando tratamento na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) não foram incluídos na pesquisa. Todos os 38 voluntários submetidos à pesquisa sobreviveram ao tratamento contra a covid-19.


Mais notícias


Publicidade