cotidiano

Especial Coronavirus

SP vai definir metas para flexibilização do uso de máscaras

Comitê Científico do Governo de São Paulo afirmou que ainda não é momento para que o uso de máscara seja desobrigado

| ACidadeON/Ribeirao -

(Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Governo de SC)
 
O comitê científico que assessora o governo estadual nas ações contra a pandemia informou que vai definir metas para flexibilização do uso de máscaras em São Paulo. De acordo com João Gabbardo, coordenador executivo do comitê, o estudo está adiantado e deve ser divulgado nas próximas semanas. 

LEIA MAIS - Máscara contra covid-19 deixará de ser obrigatória no Rio
 
Nesta quarta-feira (20), durante coletiva no Palácio dos Bandeirantes, Gabbardo afirmou, no entanto, que ainda não chegou o momento de flexibilização. "Vamos continuar mantendo essa segurança, o avanço gradativo", disse.  

"Nós estamos passando neste momento uma transição do Plano São Paulo, com flexibilizações importantes: volta às aulas, frequência obrigatória dos alunos, presença de público nos espetáculos esportivos, culturais, a redução da medida de distanciamento de 1 metro. Então, nós precisamos acompanhar qual será o impacto dessas modificações nos nossos indicadores", afirma.  

Mas o coordenador executivo do comitê disse que está analisando e vai propor nos próximos dias ao governo um conjunto de indicadores relacionados à transmissibilidade da doença, novos casos, internação, relacionados à cobertura vacinal, que vão definir o momento que poderá ser flexibilizado o uso de máscaras em áreas abertas sem aglomeração.  

Gabbardo reforça que as metas não vão definir uma data para que isso ocorra. Ele disse que o estado tem recebido solicitações do setor de eventos para a manutenção da obrigatoriedade das máscaras, já que ele alega que existe o medo que o Plano São Paulo possa retroceder.  

Obrigatório em hospitais
 
Ainda na coletiva, Gabbardo informou que o comitê científico vai pedir para o governo estadual manter a obrigatoriedade das máscaras em alguns locais, mesmo após a pandemia, como em hospitais, por exemplo. 
 
João Gabbardo, membro do Comitê Científico da Covid-19 (Foto: Divulgação/Governo SP)


Mais notícias


Publicidade