cotidiano

Especial Coronavirus

Covid: Empresas de cruzeiros suspendem operações no Brasil

Medida terá efeito imediato para novas partidas e nenhum hóspede será embarcado até o dia 21 de janeiro

| ACidadeON/Ribeirao -

Os cruzeiros atuais vão finalizar os seus itinerários conforme planejado. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/Arquivo)
 
A Associação Brasileira de Navios de Cruzeiros (Clia Brasil) anunciou nesta segunda-feira (3) a suspensão voluntária das operações nos portos do Brasil até 21 de janeiro deste ano. A medida ocorre com efeito imediato para novas partidas e nenhum hóspede será embarcado até o dia 21 de janeiro. Os cruzeiros atuais vão finalizar os seus itinerários conforme planejado.  

A entidade informou que está trabalhando em nome das companhias de cruzeiros que operam no país para alinhar interpretações e aplicações dos protocolos operacionais de saúde e segurança que haviam sido aprovados no início da temporada, em novembro, com as autoridades do governo federal, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), estados e municípios.  

"Nas últimas semanas, as duas companhias de cruzeiros afetadas experimentaram uma série de situações que impactaram diretamente as operações nos navios, tornando a continuidade dos cruzeiros neste momento impraticável. Além disso, a incerteza operacional causou inconvenientes significativos para os hóspedes que contavam com suas férias no mar com rígidos protocolos de segurança", disse a associação no comunicado.  

No domingo (2), a Anvisa divulgou comunicado em que contraindica embarques em navios de cruzeiro neste momento. "Em vista dos últimos acontecimentos, a Anvisa contraindica o embarque de passageiros que possuem viagens programadas em navios de cruzeiro para os próximos dias, em especial diante do aumento vertiginoso de casos de covid-19, com identificação de surtos a bordo das embarcações que operam na costa brasileira", diz a nota.  

"A recomendação da Agência leva em consideração a mudança rápida no cenário epidemiológico, o risco de prejuízos à saúde dos passageiros e a imprevisibilidade das operações neste momento", acrescentou a Anvisa.
A Anvisa já havia recomendado ao Ministério da Saúde, na última sexta-feira (31), a suspensão provisória da temporada de navios de cruzeiro, até que sejam debatidas as questões que envolvem uma eventual retomada das operações.  

Segundo a Clia, a atual temporada, após o término da suspensão voluntária, poderá ser cancelada na íntegra se não houver adequação e alinhamento entre todas as partes envolvidas para possibilitar a continuidade da operação.  

Os protocolos vigentes, conforme informou a associação, são os seguintes:  

- Vacinação completa obrigatória para hóspedes e tripulantes (elegíveis dentro do Plano Nacional de Imunização).  

- Testagem pré-embarque (PCR até três dias antes ou Antígeno até um dia antes da viagem).  

- Testagem frequente de no mínimo 10% das pessoas embarcadas e tripulantes.  

- Capacidade reduzida a bordo para facilitar o distanciamento social de 1,5m entre os grupos e permitir a distribuição de cabines reservadas para isolar casos potenciais.  

- Uso obrigatório de máscaras.  

- Preenchimento de formulário de saúde pessoal (DSV Declaração de Saúde do Viajante).  

- Ar fresco sem recirculação, desinfecção e higienização constantes.  

- Plano de contingência com corpo médico especialmente treinado e estrutura com modernos recursos para atendimento dos hóspedes e tripulantes.  

- Medidas de rastreabilidade e comunicação diária com a ANVISA, Municípios e Estados

Mais notícias


Publicidade