Aguarde...

cotidiano

Cresce número de professores homens no Ensino Fundamental I municipal

Ribeirão Preto registrou um crescimento de 6,2% na contratação de docentes homens em 4 anos; profissionais ainda são minoria: 15,7%

| ACidadeON/Ribeirao

Fábio Augusto da Silva Lima é professor do Ensino Fundamental há dez anos (Foto: Arquivo pessoal)

Nesta terça-feira (15) é comemorado o Dia dos Professores. E no Ensino Fundamental I das escolas municipais de Ribeirão Preto, isso significa parabenizar cada vez mais não apenas as mulheres, mas também os homens que dedicam sua vida ao magistério. 

De acordo com a Secretaria da Educação, de 2015 para 2019 houve um aumento de 6,2% na contratação de professores do sexo masculino para as turmas do 1º ao 5º ano, passando de 64 para 115 docentes. Porém, a secretaria afirma que a diferença ainda é "gritante", já que atualmente existem 617 mulheres responsáveis pelo mesmo grupo de alunos. Isso significa que do total de professores, apenas 15,7% são homens.  

Fábio Augusto da Silva Lima é um deles. Ainda na faculdade, o professor de 39 anos já teve seu primeiro contato com essa diferença: de 50 estudantes, 45 eram mulheres. "E a grande maioria queria fazer psicologia e acabou caindo de paraquedas em pedagogia. Acho que fui um dos poucos que realmente escolheu essa carreira", relembra.

Já durante a faculdade, Fábio teve suas primeiras experiências profissionais. Uma delas, trabalhando como agente educacional na Educação Infantil de uma escola pública. "Lembro que quando fui chamado para escolher o local de trabalho, a mulher perguntava se era isso mesmo, se eu tinha mesmo interesse para trabalhar".

Durante o trabalho, os olhares de desconfiança dos pais e outros profissionais serviram como prova de fogo para o profissional. "Me deu mais confiança para atuar no magistério".

Já em 2009, Fábio foi aprovado em um concurso de professor no Ensino Fundamental I. Apesar de se sentir mais aceito e confortável, ele ainda nota algumas diferenças. "Sou o único homem na escola. Ainda tem desconfiança, então tenho que tá preparado, é importante o profissionalismo". 

Para Fábio, a presença masculina em um espaço escolar é positiva para se tornar uma referência para muitas crianças. "Muitas não têm referência paterna em casa, vivem com a mãe, avó, tia, várias pessoas menos o pai. Em um espaço que é predominantemente feminino, traz equilíbrio no espaço".

Mais do ACidade ON