Publicidade

cotidiano

Mãe relata falta de auxiliar para filha com deficiência em escola

Filha de Verônica, de 5 anos, está matriculada na Emei Maria Pontim, no Quintino Facci I, na zona Norte de Ribeirão Preto

| ACidadeON/Ribeirao -

Emei Maria Potim fica localizada no Quintino Faci I, em Ribeirão Preto (Foto: divulgação)
 
A mãe de uma aluna da Emei (Escola Municipal de Ensino Infantil) Maria Pontim, localizada no Quintino Facci I, na zona Norte de Ribeirão Preto, afirma que deixou de levar a criança para escola por falta de profissionais auxiliares.  

VEJA TAMBÉM - Ribeirão tem processo seletivo para agentes de organização escolar  

A filha de Verônica Florin Padial tem microcefalia. A mãe conta que a criança de 5 anos estava feliz de frequentar as aulas. Ela conta que a filha entrava às 13h, mas que tinha de buscá-la mais cedo, porque não tinha ninguém para dar água ou levar a criança ao banheiro.  

Verônica afirma que em novembro do ano passado chegou a levar documentos na escola solicitando o profissional, mas ainda não obteve retorno do município. "Tiraram dela o direito de estar em uma sala de aula. Muito triste", disse.  

Outro lado  

Por meio de nota, a secretaria da Educação afirmou que na Emei Maria Pontim, estão matriculados seis alunos com algum tipo de deficiência, sendo três em cada período. Além disso, afirma que a unidade conta com um professor de AEE (atendimento escolar especializado) e três profissionais de apoio.  

O município ainda declarou que na última quinta-feira (31) aconteceu a atribuição de professores mediadores, que trabalharão especificamente no atendimento de educação especial na rede, com início imediato nas escolas.  

"A Pasta também trabalha em parceria com vários centros especializados, além de contar com uma Unidade exclusiva, que é o Centro de Educação Especial e Ensino Fundamental, Egydio Pedreschi", pontua.



Publicidade