Aguarde...

ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Seis são presos na Operação Curupira contra roubo de caminhões e cargas

A Polícia Civil cumpriu mandados em Ribeirão Preto, Serrana e Cravinhos nesta quarta (10), contra suspeitos de integrar quadrilha; três caminhões foram recuperados e três armas apreendidas

| ACidadeON/Ribeirao

 

A Polícia Civil de Ribeirão Preto prendeu nesta quarta-feira (10) seis homens suspeitos de integrar uma quadrilha de roubo de caminhões e cargas que atuava na região. Outras quatro pessoas não foram encontradas e passam a ser consideradas foragidas.  

Foram expedidos dez mandados de prisão preventiva e outros dez de busca e apreensão em Ribeirão, Serrana e Cravinhos. 

Três armas e também bebidas, como refrigerantes e cervejas, foram apreendidas com os suspeitos, além de três caminhões recuperados no decorrer das investigações, que tiveram início há três meses.  

Entre os presos está Edson Bezerra, o Tico, apontado pela polícia como o líder da quadrilha. Ele foi encontrado em uma casa na rua Itamaracá, no Ipiranga, zona Norte de Ribeirão.  

Também foram presos o empresário Magno Fernandez Iozzi, Elivelton Alves Floriano, Jaime Rogério Serafim Gonçalves, Thiago Barbosa Guimarães e Enilson Sebastião de Paula.  

"Eles tinham uma logística criminosa bem elaborada. Tinham os que executavam os roubos e o que ficava longe do local do assalto, que depois ia lá e tentava desligar o sistema de rastreamento do veículo. Após isso, o motorista da quadrilha pegava esse veículo e levava para um local determinado", disse o delegado da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) César Augusto de França.  

Ele exemplificou que se ocorresse a prisão do motorista com o veículo, ele seria considerado um receptador e poderia pagar fiança e responder em liberdade.    

No sentido horário, os presos Edson Bezerra, o Tico, Magno Iozzi, Elivelton Floriano, Jaime Gonçalves, Thiago Guimarães e Enilson de Paula (Foto: Divulgação)

O intelectual  

O empresário Magno Fernandez Iozzi é apontado pela polícia por adulterar os sinais de identificação dos veículos roubados. 

Ele foi encontrado em um sítio no distrito de Bonfim Paulista, onde foi apreendida uma das armas.  

"Ele é um dos mentores intelectuais da quadrilha. Fomentava os roubos e acabou ficando com um dos veículos que foi vendido para um receptador final", declarou o delegado.  

Segundo França, a polícia apurou que a adulteração ocorreria em uma empresa.  

"Eles adulteravam o chassi e, depois, emplacavam esses veículos legalmente. Tinham o documento do veículo e o chassi para ser implantado. Dois dos quadrilheiros saíam a campo na região para procurar o veículo certo para ser roubado", explicou.  

O grupo, que foi monitorado por meio de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça durante a investigação, é suspeito de cometer um roubo em Altinópolis em agosto e outro em Santa Rosa de Viterbo, em setembro. Há indícios ainda de outros oito roubos.  

Todos os presos devem ser levados para a cadeia de Santa Rosa de Viterbo e devem cumprir prisão preventiva de 30 dias.

A Polícia Civil explicou que a operação foi denominada de Curupira, um personagem do folclore, protetor das matas, após a constatação de que as vítimas eram levadas para matagais, onde ficavam em poder de integrantes do grupo.   

Outro lado 

O advogado José Augusto Ferraz, que defende o empresário Magno Fernandez Iozzi, disse que o seu cliente nega participação no esquema criminoso e que, por consequência, declara ser inocente.  

"Vamos ainda analisar as interceptações telefônicas da polícia, mas ele está à disposição da Justiça", ressaltou.

ACidade ON não localizou os advogados dos outros presos.

LEIA TAMBÉM 

Polícia Civil desmantela quadrilha suspeita de roubo de caminhões

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Veja também