Aguarde...

ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Jovem relata medo de atuar como motorista de aplicativo

Após assalto, mulher de 23 anos deixou de trabalhar à noite, mas mesmo assim sofre com o medo

| ACidadeON/Ribeirao

Polícia conseguiu localizar o carro e os pertences da jovem (Foto: Divulgação PM)
Uma motorista de aplicativo de transporte individual de 23 anos procurou o ACidade ON, nesta terça-feira (20), para contar que foi mais uma vítima dos grupos que atacam os trabalhadores nesse seguimento. Ela afirma que não trabalha mais no período noturno, mas mesmo assim tem medo.

A moça contou que sexta-feira (16), por volta das 23 horas, recebeu uma chamada, partindo da rua Japurá, na zona Norte. "Chegando lá embarcaram 4 rapazes, com destino na Vila Virgínia", contou.

Ao chegar ao destino, na avenida Pio XII, segundo a jovem, o quarteto pediu para descer em uma rua paralela. Na sequência, anunciaram o assalto. "Quando informaram que era um assalto, colocaram uma arma na minha cabeça. Após rodar cerca de 40 minutos, me fizeram parar o carro ao lado da USP", recordou.

Perto da USP, o quarteto pediu a correntinha, a aliança, o celular e todo o dinheiro que tinha. "Pedi ajuda, e um homem me levou até em casa, no Jardim Paiva. Liguei para a polícia e, em cerca de 10 minutos, os policiais tinha apreendido o veículo e três dos rapazes. Todos menores de idade", falou.

A jovem disse que voltou a trabalhar com os aplicativos (99pop e Uber) já no dia seguinte porque precisa do dinheiro. "Porém, desisti de trabalhar a noite. Para todos é perigoso, mas para mulher é ainda mais", desabafou.  

Outro lado

Por nota, a assessoria da 99pop informou, que se preocupa com a segurança dos passageiros e motoristas. O aplicativo também informou, que o assunto é prioridade, sendo um dos três pilares fundamentais (promover transporte rápido, econômico e seguro).

A nota também informou, que para garantir a segurança do serviço, uma equipe especialmente dedicada foi montada, composta por mais de 50 pessoas incluindo ex-militares, engenheiros de dados e até psicólogos. O time trabalha 24 horas por dia, sete dias por semana, cuidando exclusivamente da proteção dos usuários.