Aguarde...

cotidiano

Seu Dorivaldo é a alegria de quem passa pelo Centro de Ribeirão

Todos os dias ele sai de Altinópolis para dançar no Calçadão; Além de levar sorrisos, ele afirma que chega a ganhar até R$ 100 por dia

| ACidadeON/Ribeirao

Seu Dorivaldo dança quase todos os dias no Calçadão de Ribeirão (Foto: Vinicius Alves / CBN Ribeirão)
Se você já andou pelo Calçadão de Ribeirão Preto com certeza já encontrou alguns desses personagens: o saxofonista, os vendedores de bilhetes de loteria, vendedoras de chip para celulares, o contador de histórias e os dançarinos. Correto?

Pois bem! Hoje, você vai conhecer melhor o senhor Dorivaldo Martins, de 75 anos.

Ele sai todos os dias, de ônibus, de Altinópolis, onde nasceu e mora. Chega no Terminal Rodoviário de Ribeirão Preto, na avenida Jerônimo Gonçalves, e sobe a pé para o Calçadão.

Quando as lojas começam a abrir, Dorivaldo começa a festa - é só ligar a caixa de som e pronto!

Conforme o sertanejo vai tocando na caixa, ele vai pulando para um lado, para o outro, vai para frente, volta, dá um rodopio... cansa só de assistir! Mas seu Dorivaldo tem a vitalidade de um jovem de 18 anos. 
 


A rotina é assim desde o ano passado: a dança começa às 9h e vai até 11h30. Pausa para o almoço. Às 13h, o bailão do Dorivaldo recomeça e vai até as 16h. Ponto final. Hora de recolher a caixa de som, descer a pé para a rodoviária e voltar para Altinópolis.

Ele carrega também uma maleta com pertences pessoais e um pote, onde as pessoas deixam gorjetas pela apresentação. 

Por dia, o dançarino já chegou a ganhar R$ 100. Dorivaldo diz juntar esse dinheiro com a pensão que recebe da Prefeitura de Altinópolis onde ele trabalhou quase a vida inteira logo depois de sair das lavouras de café. "Vou para Olímpia, Praia Grande, Goiás....", disse ele.

Ele não é casado. Aliás, nunca casou. Não teve netos e nem filho. Mora sozinho. De familiares, tem apenas os irmãos, que também moram em Altinópolis.

Começou a dançar em 2008, em um bar da cidade. O pessoal gostou e incentivou que ele continuasse.

Como já conhecia Ribeirão Preto por conta de passeios, decidiu arriscar e começar a animar o vai e vem das pessoas no maior centro de comércio de rua da cidade.

Não deu outra! Foi sucesso na certa.

Quem passa por ele, para. Uns deixam o dinheiro. Outros riem. Quase todos pegam o celular para tirar fotos e filmar.

Foi o que fez o pedreiro Onício Barbosa.

"Chamou muito a atenção. Passei aqui para ir no banco, mas acabei voltando para ficar olhando ele. Achei muito importante. Pela idade dele é uma coisa muito rara e temos que valorizar. Filmei para mostrar para a minha família, colocar no Facebook. Vai fazer sucesso"

E se engana quem pensa que o Seo Dorivaldo não tem nenhum problema de saúde. Pelo contrário, ele faz disso a inspiração para dançar cada vez mais.


"Tenho marca passo, labirintite, pressão alta, problema no coração, úlcera, problema de coluna e no rim. Se ficar bem pensando nessas coisas...como faz? É uma terapia que eu faço. Estou em contato com o povo, fazendo ginástica e ainda dá para ganhar dinheiro", relatou o dançarino.

Mais do ACidade ON