Aguarde...

ACidadeON Ribeirão Preto

docon

O poder autoritário detesta quem pensa

Uma feira literária convidou Miriam Leitão e Sérgio Abranches; Desconvidou-os depois de uma campanha de seguidores de Bolsonaro, contrários ao viés ideológico de esquerda

| ACidadeON/Ribeirao

O jornalista e escritor Julio Chiavenato (Foto: Weber Sian / ACidade ON)
 
Exclusões

A Câmara votará amanhã o projeto que autoriza a terceirização dos funcionários das creches. A pergunta é (ou deveria ser): como se chega a esse ponto, com centenas de crianças sem atendimento e suas mães impossibilitadas de trabalhar? 

Resposta simples: é resultado da péssima administração anterior agravada pela incompetência da atual para solucionar problemas que conturbam o convívio social. Explicação mais verdadeira: quem precisa de creches são pobres e trabalhadores, geralmente da periferia urbana e social, portanto...  

Mas se o fato causa incômodo político, transfere-se a responsabilidade. É crônico: "eles" não desconhecem as necessidades da população. Conhecem de sobra não apenas o imprescindível socialmente como o que deveria ser feito. Todos sabem que as mães precisam das creches dotadas de pessoal especializado para atender a infância.  

Na prática, porém, desdenham-se as carências e o direito do povo humilde e despreza-se o que os especialistas ensinam. Quando a coisa começa a prejudicar a imagem do mandão da hora, bola pra frente. O que significa contratar empresas (mesmo que disfarçadas de "organizações sociais") e desconsiderar conceitos que condenam as gambiarras da exceção.  

Por isso o prefeito não ouviu o Conselho Municipal de Educação, que reprova parcerias mal pensadas e, ele, o prefeito, justifica o irracional com o argumento da urgência.  

Se os vereadores aprovarem o projeto, festa no arraial. Se não, a "culpa" pelas creches fechadas será atribuída a eles. Para as mães que esperam por uma vaga, o que interessa se é legal ou não ou se as creches funcionarão precariamente?  

Ribeirão Preto é cada vez mais excludente: no plano "material", ao não abrir escolas e no "educacional", pondo as creches a funcionar precariamente.
 

Só o começo


O poder autoritário detesta quem pensa. Pela força inverte o conceito de democracia: o vencedor julga-se ungido e diz que os perdedores devem se curvar à "maioria".  

O exemplo mais recente é de Jaraguá do Sul (SC). Uma feira literária convidou Miriam Leitão e Sérgio Abranches para o evento. Desconvidou-os depois de uma campanha de seguidores de Bolsonaro, contrários ao "viés ideológico de esquerda". E como são a maioria acham que exerceram um dever ou direito democrático.  

É o fascismo caboclo que, sem tradição, começa por incentivar o costume. É assim que se inventam as tradições: primeiro a prática tosca, depois a imposição de hábitos como se fossem a vontade popular.  

Na Itália e na Alemanha, nos anos 1920/1930, os fascistas invadiram galerias e bibliotecas, arrebentando obras de arte "degenerada" e livros "imorais". Esse comportamento de vândalos tornou-se um costume que forjou a predominância tradicional intolerante e racista naqueles países.  

A comparação não é excessiva. Na Europa os fascistas que perseguiam intelectuais e queimavam livros mal sabiam quem ou o que estavam atacando. Aqui, os que afrontaram Miriam Leitão e Sérgio Abranches mal têm noção de quem eles são.  

É assim que começa. Vários jornalistas já foram despedidos pela pressão das hordas bolsonaristas e do próprio presidente. É só o começo. Melhor jair se acostumando (já que poucos reagem).
 

Polissemia

Estou atacado pelo Caolho. Caso é que Perdigão perdeu a pena, não há mal que lhe não venha, não tem no ar nem no vento asas, com que se sustenha. 

Digo-vos: isso foi na ditadura. Os militares se constrangiam da boçalidade que representavam. Vejam a foto de Dilma Rousseff depondo à Justiça Militar. Ela está, adolescentemente jovem, de cara limpa, enfrentando a câmera. Os juízes escondem o rosto, envergonhados do papel que faziam.  

Hoje, a história é outra. Não há constrangimento em assumir a bruteza na arena política. A direita esbraveja e ameaça, com a convicção messiânica de que está no caminho certo.
Essa gente que espuma intolerância talvez (sejamos otimistas), aprenda que Perdigão perde a pena.
 

Pagodão

Cesse tudo quanto a antiga musa canta, que outro valor mais alto se alevanta. Minha musa cede espaço para Tião Carreiro e Pardinho cantarem o pagode:

"Onde é que nós estamos, oh! meu Deus tem dó da gente,
mundo velho já deu flor, carunchou toda a semente,
virou um rolo de cobra, serpente engole serpente,
quem vive lesando a pátria dando pulo de contente:
o pobre trabalhador... é o escravo na corrente."
 

Intolerância

A opinião que domina é sempre intolerante, ainda quando se recomenda por muito liberal. (Marquês de Maricá, 1773-1848) 
 

*a opinião do colunista nem sempre reflete o posicionamento do portal ACidade ON

Você pode ajudar o jornalismo sério

A missão do ACidade ON é fazer um jornalismo de qualidade e credibilidade. Levar informação confiável e relevante, ajudar a esclarecer e entender os fatos, sempre na busca de transformação. E o seu apoio é fundamental. Ajude-nos nessa missão para construir uma sociedade mais crítica e bem informada.

Apoie o bom jornalismo.

Já é assinante? Faça seu login.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso. Para mais informações, consulte nosso TERMO DE USO"

Facebook

Mais do ACidade ON