Aguarde...

ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

Economia

Com Avianca em crise, cliente Amigo deve correr para usar milhas

Alianças permitem o compartilhamento de voos e a pontuação em programas de fidelidade de companhias parceiras; veja dicas de especialista

| FOLHAPRESS

A Avianca está em recuperação judicial (Foto: Divulgação)
 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio a uma recuperação judicial, a Avianca atravessa um momento delicado, com perda de aeronaves para credores e sucessivos cancelamentos de voos.Nesta quarta-feira (17), a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) anunciou que a companhia deverá entregar mais oito aviões a partir da próxima segunda-feira (22) —a entrega foi combinada para ocorrer após o feriado de Páscoa com vistas a mitigar o impacto na já combalida malha aérea da Avianca. 

Em assembleia no último dia 5, os credores aprovaram o fatiamento da empresa em sete partes, chamadas unidades produtivas isoladas (UPI), que serão leiloadas no dia 7 de maio. Seis delas são compostas por slots nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos, em São Paulo, e no Santos Dumont, no Rio.Um slot é uma permissão de pouso e decolagem no aeroporto em questão, e no momento, é o ativo mais valioso da companhia. O problema é que a comercialização desses slots é proibida pela Anac. Portanto, há chance de esse plano de recuperação, aprovado pelos credores, ser barrado na Justiça. 

A sétima UPI é formada pelo programa de fidelidade da Avianca, o Amigo. É importante lembrar que a Avianca Brasil é uma empresa distinta da Avianca "original", colombiana, e ambas possuem programas de milhagem totalmente independentes —no caso da colombiana, o LifeMiles.Nesse cenário nebuloso, aumenta a preocupação dos clientes com o futuro dos seus pontos no programa, as milhas acumuladas com voos ou transferidas do cartão de crédito. 

Com grande parte da malha aérea da Avianca afetada pelos cancelamentos e a crescente incerteza sobre o futuro da companhia, o melhor negócio para os clientes do Amigo neste momento é usar os pontos no resgate de passagens das companhias da Star Alliance, aliança global da qual a Avianca faz parte.  

Essas alianças permitem o compartilhamento de voos e a pontuação em programas de fidelidade das companhias parceiras.Mas é preciso atenção.  

O especialista em programas de fidelidade Alexandre Zylberstajn, sócio-diretor do site Passageiro de Primeira, recomenda que a emissão do bilhete seja feita unicamente na empresa parceira."Digamos que você vai fazer um voo do Rio de Janeiro para Frankfurt, e o sistema te dê a opção de fazer Rio-São Paulo com a Avianca, e depois Guarulhos-Frankfurt com a Lufthansa. Como a gente não sabe até que momento a Avianca vai operar esses voos, tente emitir o voo ‘puro’ da parceira, para ter um pouco mais de garantia", avalia Zylberstajn. 

Fazem parte da Star Alliance 27 companhias: Adria (Eslovênia), Aegean (Grécia), Air Canada, Air China, Air India, Air New Zealand, All Nippon Airways (Japão), Asiana Airlines (Coreia do Sul), Austrian, Avianca (Colômbia e Brasil), Brussels (Bélgica), Copa Airlines (Panamá), Croatia Airlines, Egyptair, Ethiopian, EVA Air (Taiwan), LOT (Polônia), Lufthansa (Alemanha), SAS (Noruega, Dinamarca e Suécia), Shenzhen Airlines (China), Singapore, South African Airways, Swiss, TAP Air Portugal, Thai, Turkish e United (EUA).Nem todas, porém, têm operação no Brasil. Air Canada, Air China, Avianca, Copa, Ethiopian, Lufthansa, South African, Swiss, TAP, Turkish e United operam rotas no Brasil, logo, possuem representação por aqui.No caso das outras, a emissão de passagens com os pontos Amigo ainda é possível, mas eventuais problemas podem incorrer em dor de cabeça. 

"Se tiver algum problema, para discutir com elas não vai valer a pena, porque você não conseguiria fazer isso no território brasileiro. Para cobrar elas lá fora, vai ser muito difícil", afirma o advogado Ricardo Sordi, especialista em direito do consumidor e sócio do escritório Brasil Salomão e Matthes.Aqueles que não possuem pontos suficientes para emitir uma passagem internacional podem arriscar e resgatar um trecho com a Avianca em voos no Brasil.Uma opção menos arriscada seriam os voos da ponte aérea, entre Congonhas e Santos Dumont.  

"São os últimos voos que a Avianca cancelaria, por conta dos slots. Se chegar numa situação limite, os últimos que vão morrer são esses", afirma Zylberstajn.Cancelamentos ou mesmo atrasos nessa rota prejudicam a posse dos slots nesses aeroportos de acordo com as regras da Anac, e são eles o principal ativo nas mãos da Avianca neste momento.Se ainda assim o voo emitido com milhas for cancelado, há outra dica. Alguns cartões de crédito, dependendo da bandeira, oferecem seguro contra cancelamento de voos —nesse caso, é preciso ter usado o cartão para pagar as taxas de embarque do bilhete emitido com as milhas. 

A incerteza que ronda o futuro da Avianca se estende, com isso, ao seu programa de milhagem. Existe a chance de, quando ocorrer o leilão das unidades produtivas isoladas, ninguém se interessar pela fatia representada pelo Amigo. 

Seria um caso extremo, mas que ecoa outro episódio recente no mercado da aviação.Em 2017, a companhia alemã Air Berlin decretou falência. Enquanto a empresa agonizava, clientes do Top Bonus foram gradativamente perdendo alternativas para usar as milhas acumuladas, até que o programa acabou e os passageiros simplesmente perderam os pontos."Ainda acredito que um programa brasileiro tenha interesse no ativo, mas as chances cada vez estão ficando menores", avalia Zylberstajn.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Mais do ACidade ON