Aguarde...

Economia

Depois do arroz, leite sobe 21% e padarias sofrem com os repasses

Algumas panificadoras de Ribeirão Preto já aumentaram em 10% o valor do tradicional cafezinho, acompanhado do pão com manteiga

| ACidadeON/Ribeirao

Entenda o por que na reportagem (Foto: divulgação/Pixabay)
 

Depois do aumento do arroz nas prateleiras, chegou a vez do leite assustar os consumidores de Ribeirão Preto e apresentar preços até 21% mais caros que os de 60 dias atrás. O café e o trigo também sofreram ajustes nada agradáveis para o bolso dos compradores.  

A explicação para isso, segundo Joaquim Antônio Araújo, dono de uma padaria localizada na Vila Tibério, é a escassez de matéria prima, visto que uma matança emergencial de vacas leiteiras precisou ser executada para venda de cortes.  

Fatores como a estiagem, o tempo seco e a própria pandemia do novo coronavírus podem ter contribuído ainda mais para isso.  

"Na minha opinião, um aumento como esse nunca foi visto antes. E, para amenizar a situação, estamos fazendo uma média entre o que é comprado e o que temos em estoque, justamente para que o repasse não seja total ao cliente", explica o comerciante nesta sexta-feira (11).  

Na maioria dos locais, no entanto, o preço do "cafezinho", acompanhado do tradicional pão com manteiga, já tem apresentado variações de até 10%.  

"Pra gente é muito difícil, porque já estamos sendo forçados a nos reinventar todos os dias para manter o negócio de pé e ainda vem esse aumento em todos os produtos básicos", completa Joaquim Antonio. Com EPTV

Arroz em alta  

Quem "abriu a fila" de preços altos e causou o primeiro espanto nos consumidores foi um dos alimentos mais tradicionais do Brasil, presente diariamente no prato da maioria da população: o arroz.  

O vilão dessa alta dos preços está até 40% mais caro em determinais locais e já chega a R$ 7 o quilo do grão. Isso quer dizer que o saco de cinco quilos, comprado anteriormente a cerca de R$ 15, pode ultrapassar os R$ 30 e até ficar ausente das refeições básicas. 

Entenda o por que aqui.

Mais do ACidade ON