Aguarde...

ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

Economia

Ribeirão Preto é mais rica que 15 capitais do País

Setor de comércio e serviços é o motor da economia; especialista defende estímulo às novas indústrias

| ACidadeON

Weber Sian / A Cidade
Setor de comércio e serviços é o motor da economia de Ribeirão Preto

 

Ribeirão Preto é mais rica que 15 capitais brasileiras e tem o 24º maior PIB (Produto Interno Bruto) do país, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2015, a soma das riquezas na cidade alcançou a marca de R$ 27,8 bilhões.

O resultado coloca Ribeirão Preto à frente de municípios como Vitória (ES), Cuiabá (MT), Florianópolis (SC), Natal (RN) e outras 11 capitais brasileiras. O PIB de Ribeirão representou 0,46% da riqueza produzida no Brasil em 2015.

O setor de comércio e serviços é o motor da economia de Ribeirão Preto – representou 75% do PIB em 2015, uma fatia de R$ 21 bilhões. Em segundo lugar está a indústria, que responde por 13% das riquezas produzidas, com R$ 3,8 bilhões (leia mais no quadro).

“Dois elos fortalecem o setor de serviços, a área financeira representada pelos bancos e a educação, por meio das escolas e faculdades”, explicou o economista e consultor financeiro José Rita Moreira.

Segundo ele, historicamente a indústria nunca foi representativa para o PIB de Ribeirão. O motivo seria um estigma de que a mão de obra no município é muito cara, o que afastaria investidores. “O fato de Ribeirão ser considerada a Califórnia Brasileira contribuiu para esse mito, mas não é verdade”, pontuou.

Atração

Um dos caminhos para ampliar o PIB de Ribeirão, propõe Moreira, é a prefeitura instituir um programa de atração de empresas. “Poderia oferecer benefícios, com isenção de ISS [Imposto sobre Serviços] e IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano] por alguns anos, conforme o número de empregos a serem criados”, sugere.

O economista entende que a participação ínfima da agropecuária para compor o PIB de Ribeirão está relacionada ao preço da terra, “muito caro”.

Em cinco anos, o PIB de Ribeirão Preto cresceu 52%. Em 2010, segundo o IBGE, a soma das riquezas na cidade alcançou a marca de R$ 18,2 bilhões, o que colocava a cidade como a 28ª cidade mais rica do país. Em cinco anos, Ribeirão subiu quatro posições no ranking nacional, subindo para a 24ª colocação. 

 

Prefeitura cita medidas

A prefeitura declarou que está tomando medidas para aumentar o PIB industrial, como a alteração dos procedimentos para construção e licenciamento de projetos e empreendimentos, que chegavam a levar até seis anos.

Citou também a implantação do modelo de Poupatempo empresarial, onde a abertura de novas empresas terá um rito mais rápido, e a aprovação da terceira etapa do Distrito Empresarial, com mais 50 lotes.

A prefeitura citou ainda investimentos de R$ 310 milhões no sistema de mobilidade urbana e a ampliação do Aeroporto Leite Lopes, com investimento de R$ 80 milhões.

 

Weber Sian / A Cidade
Economista José Rita Moreira

 

Aeroporto incrementaria PIB

O economista José Rita Moreira considera que a internacionalização do Aeroporto Leite Lopes seria um item importante para incrementar o PIB de Ribeirão Preto. “Com a melhor estrutura, muitas empresas de logística se interessariam em se instalar aqui e, além dos empregos, movimentariam mais a economia, utilizariam os bancos, por exemplo”, explica. Segundo o Daesp (Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo), a elaboração do projeto e a execução das melhorias no Leite Lopes estão previstas para o período entre 2018 e 2019.

 

Maior fatia está fora das capitais

Assim como Ribeirão Preto, municípios fora das capitais foram responsáveis por 66,9% do PIB nacional em 2015. 

Em 2002, 36,1% do PIB brasileiro era proveniente das capitais de Estados, riqueza que em 2015 passou para 33,1%, representando uma perda de 2,9 pontos percentuais. 

Ao contrário, os municípios fora das capitais eram responsáveis por 63,9% do PIB e passaram a contribuir com 66,9%, um avanço de 2,9 pontos percentuais no mesmo período. O PIB no País em 2015 foi de R$ 5,9 trilhões.

Mais do ACidade ON