Aguarde...

esportes

Botafogo: Faixas com críticas à S/A são colocadas em viadutos

Fotos registradas neste sábado (24), em Ribeirão Preto, mostram protestos contra os dirigentes Adalberto Baptista e Gérson Engrácia Garcia

| ACidadeON/Ribeirao

Protesto ocorre com o time na vice-lanterna da Série B (Foto: Divulgação / Redes Sociais)
 
Os viadutos Ayrton Senna e Jandira Moquenco, em Ribeirão Preto, amanheceram neste sábado (24) com faixas que carregam críticas a dois dirigentes da Botafogo S/A. 

O protesto ocorre com o time na vice-lanterna da Série B do Campeonato Brasileiro. Na competição, o Pantera acumula quatro derrotas consecutivas. 
 
CLIQUE E LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE O PANTERA

Em uma das faixas, colocada no viaduto Jandira Moquenco, a mensagem é direcionada a Adalberto Baptista, presidente do Conselho Administrativo da S/A: Adalberto Bapti$ta = Câncer do Botafogo.   

Atualmente, o mandatário também comanda o departamento de futebol do clube, ao lado de Fernando Gelfuso.

Já no outro viaduto, a crítica foi feita ao presidente da S/A, Gérson Engrácia Garcia, com a frase "Ger$inho vendido".     

Ainda não se sabe, porém, quem são os responsáveis pelos protestos. 
 
Outro lado 
 
A reportagem do portal ACidade ON entrou em contato com assessoria de comunicação da Botafogo S/A. Contudo, foi informada de que o clube não se posicionaria sobre o protesto.  
 
Sequência e manifestação 
 
Na última sexta-feira (24), Adalberto Baptista convocou uma coletiva de imprensa. Entre um dos assuntos discutidos, o homem-forte da S/A falou sobre o áudio vazado do presidente do Botafogo Futebol Clube, Osvaldo Festucci, no qual chamou Baptista de "dono da equipe".  
 
"O Festucci, na verdade, não está mais do Departamento de Futebol. É chato falar de um vazamento de uma conversa privada. Essa pessoa que recebe e vaza o áudio, o caráter de mandar é bem questionável, por isso não quero dar tanto ibope para essa pessoa. Claro que não gostei, pessoalmente para mim e para comissão ele fala uma coisa e, no áudio, fala outra. Mas ele pode ter a opinião que quiser. Gosto muito do Festucci, o futebol envolve isso, opiniões divergentes e falar no calor de uma derrota acaba sendo assim. Mas ele não tem esse poder de fazer a troca de técnico. Mas que tenha o mesmo discurso, se não ele pode ser questionado. Se eu fosse "dono", o Festucci comandou o Botafogo, saiu porque havia um risco de rebaixamento, para não estar junto numa eventual frustração. Se eu fosse dono, muitas das atitudes dele, não teria aceitado. Hoje, efetivamente, eu que dou a última palavra, não é se achar dono. É uma hierarquia", disse Adalberto.  
 
Em busca de uma recuperação no campeonato, o Botafogo enfrenta o Vitória neste domingo (25), às 20h30. A partida, válida pela penúltima rodada (18ª) do primeiro turno, acontece no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto. 


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON