Aguarde...

Esse ano votaremos nos

Eleições

Operação prende quatro acusados de pornografia infantil

Polícia Federal cumpriu 19 mandados de busca e apreensão em Ribeirão Preto e em nove cidades da região

| ACidadeON/Ribeirao

Lucas Catanho / A Cidade
Delegados da PF falam sobre a operação na região de Ribeirão Preto (Foto: Lucas Catanho / A Cidade)

 

ATUALIZADA ÀS 20H

A Operação Safety, deflagrada pela PF (Polícia Federal) na manhã desta sexta-feira (7), culminou na prisão em flagrante de quatro suspeitos de posse de arquivos de pornografia infantil, crime que prevê prisão de 1 a 4 anos e multa.

VEJA GALERIA DE FOTOS DOS COMPUTADORES APREENDIDOS

 

As prisões ocorreram em Bebedouro, Jaboticabal, Santa Rosa de Viterbo e Sertãozinho. A Polícia Federal não divulgou os nomes nem as idades dos acusados, mas informou que nenhum deles tinha passagens anteriores. Todos, porém, confessaram a prática criminosa. Eles seriam levados ontem ao CDP (Centro de Detenção Provisória) de Serra Azul.

“Foram encontrados vários arquivos de imagens e vídeos de pornografia infantil nos computadores de uso pessoal dos acusados. Um dos presos tinha atividade tão perniciosa que mantinha no banheiro da casa dele uma câmera escondida para gravar alguma visita ou parente que fosse tomar banho”, detalhou Jackson Gonçalves, delegado da Polícia Federal responsável pela operação.

Ao todo, 76 policiais federais cumpriram 19 mandados de busca e apreensão em Ribeirão Preto, Cravinhos, Serrana, Sertãozinho, Pontal, Bebedouro, Barretos, Jaboticabal, Santa Rosa de Viterbo e Monte Alto. Computadores e aparelhos celulares foram apreendidos e serão submetidos à perícia.

 

Investigação

As investigações da Operação Safety começaram há oito meses, quando foram identificados os primeiros compartilhamentos de arquivos.

A partir de agora, o trabalho os investigadores busca confirmar se os acusados somente possuíam arquivos de pornografia infantil ou se também divulgaram de fato o material – a divulgação prevê pena de 3 a 6 anos de prisão e multa.

Se for comprovado esse segundo crime, as condenações máximas por posse e divulgação subiriam para dez anos de prisão.

“A perícia vai analisar e se lá tiver informações que o usuário tem arquivo dele se filmando com uma criança, por exemplo, a investigação vai para outro lado, o abuso de menor, com pena bem mais grave”, explicou Gonçalves.

As investigações foram motivadas por arquivos de conteúdo de pornografia infantil veiculados na internet por meio de programas de compartilhamento das redes Gnutella e Ares.

Outro motivo foi a denúncia encaminhada pela National Center for Missig & Exploited Children (Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas, na sigla em inglês), além de informações obtidas pelas empresas Google, Safernet e Facebook, que fiscalizam as publicações.

Wi-fi aberto facilita crime

Em uma das empresas diligenciadas no cumprimento dos 19 mandados de busca e apreensão ontem, do ramo comercial, não foi possível identificar quem era o usuário que continha os arquivos porque o wi-fi era aberto (sem senha). “Qualquer usuário poderia conectar e praticar o ilícito”, informou o delegado Jackson Gonçalves.

“As pessoas devem ter consciência que esse tipo de recurso [wi-fi aberto] facilita a prática do crime e pode trazer para si alguma eventual responsabilidade penal”, acrescenta Edson Geraldo de Souza, delegado-chefe da Polícia Federal de Ribeirão.

Segundo a Polícia Federal, o perfil dos acusados de pedofilia é composto por homens com idades entre 35 a 45 anos, casados.

Ponta do iceberg

O delegado-chefe da Polícia Federal de Ribeirão, Edson Geraldo de Souza, frisa que a Operação Safety pode ter novos desdobramentos a partir da análise das mídias e computadores apreendidos ontem.

“A importância da operação não está só na repressão de crimes cibernéticos, mas na ponta de um iceberg, já que, através da busca de recursos audiovisuais, estamos buscando pessoas que eventualmente também estejam praticando ou ligados a pessoas que estão praticando abusos contra crianças e adolescentes”.

Segundo Souza, as imagens nos materiais apreendidos ontem serão analisadas. “Teremos mais informações no decorrer das investigações que se iniciam a partir dos flagrantes lavrados nesta sexta-feira”, conclui.

 

 

LEIA TAMBÉM
PF faz operação contra pornografia infantil pela internet

Mais do ACidade ON