Publicidade

politica

Deputados de Ribeirão avaliam mudança de sistema de governo

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, disse que PEC que muda o sistema de governo pode ser discutida

| ACidadeON/Ribeirao -

Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
 
Os deputados federais e estaduais com base política em Ribeirão Preto se dividem sobre a proposta do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), em discutir a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do semipresidencialismo. 

LEIA MAIS - Saiba o que é semipresidencialismo, sistema defendido por Lira
 
Os parlamentares ouvidos pela coluna disseram que a discussão precisa ser realizada junto com a população. Isso porque, propostas de mudança de modelo de governo já foram derrotadas por plebiscito em outras ocasiões.  

O que dizem?
 
O deputado federal Ricardo Silva (PSB) acredita que a população "clama por uma reforma política estrutural". Ele afirma que o debate do semipresidencialismo pode acontecer. "Em 1993, houve um plebiscito que definiu pelo presidencialismo. Qualquer alteração neste sentido deverá ser feita ouvindo a população", declarou.  

O deputado Baleia Rossi, presidente nacional do MDB, foi procurado por meio de sua assessoria. Contudo, não houve resposta até a publicação do texto. Na última quinta-feira (15), ao jornal O Estado de São Paulo, Baleia Rossi disse que, "pessoalmente", é "simpático à ideia".  

Já o colega de partido de Baleia, o deputado estadual Léo Oliveira (MDB), não se mostrou favorável à ideia. "A democracia em nosso País é relativamente jovem. E creio, que ao invés de mudar o sistema de poder, o melhor caminho é aperfeiçoar cada vez mais o que já temos, principalmente no sentido de fortalecer as instituições", declarou o parlamentar.  

O também deputado estadual Rafael Silva (PSB) afirma que o tema deve ser discutido com a população. "A população brasileira, por duas vezes, negou o parlamentarismo e escolheu o presidencialismo, em 1963 e em 1993. Outra tentativa de mudança também só deveria ser feita após ouvir a população e explicar o que se quer com um novo modelo de gestão", afirmou o parlamentar.


Mais notícias


Publicidade