Publicidade

politica

Câmara de Ribeirão cobra vereadores sobre uso de assessores

Cobrança aconteceu após MP-SP abrir investigação contra Igor Oliveira por suposto uso de comissionado em programa de TV

| ACidadeON/Ribeirao -

Presidente da Mesa Diretora, Alessandro Maraca (MDB) (Foto: Allan S. Ribeiro/Divulgação)
 
O presidente da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Ribeirão Preto, Alessandro Maraca (MDB), cobrou os parlamentares após o MP-SP (Ministério Público de São Paulo) abrir uma investigação para apurar uma suposta irregularidade no gabinete do vereador Igor Oliveira (MDB). 

LEIA MAIS - Vereador é investigado por usar comissionado em programa de TV
 
Segundo Maraca, foi enviado um comunicado para os vereadores com o entendimento da Mesa Diretora, que afirma que no horário de expediente no Legislativo, as atividades dos assessores devem estar diretamente ligadas à assessoria técnica institucional do parlamentar.  

"Já passei [a orientação] depois do acontecido [abertura do inquérito]. Mas os vereadores quando são eleitos têm de ter conhecimento sobre essa determinação", declarou o vereador em contato com a coluna.  

O caso
 
Na última semana, o ACidade ON revelou que MP-SP abriu um inquérito civil para investigar um suposto uso de assessor parlamentar para serviços particulares, por parte do vereador Igor Oliveira.  

A investigação foi aberta pelo promotor Sebastião Sérgio da Silveira após receber denúncia sobre a publicação de um vídeo no qual aparece o assessor parlamentar Leonardo Thomazini, lotado no gabinete de Igor Oliveira, com o uniforme do programa apresentado pelo parlamentar em uma emissora de TV local.  

Procurados, Igor Oliveira e Leonardo Thomazini informaram, na ocasião, que disseram que desconheciam a investigação aberta pelo Ministério Público.
Contudo, o vereador e o assessor declararam que desenvolvem suas atividades dentro da legalidade, "buscando a boa gestão dos recursos públicos".


Mais notícias


Publicidade