ACidadeON Ribeirão Preto

Ribeirão Preto
mín. 20ºC máx. 36ºC

vidaeestilo

Coworking: espaços compartilhados, inovação e criatividade

Com as novas relações de trabalho e a busca por espaços mais elaborados, o coworking tornou-se sinônimo de possibilidade de desenvolvimento profissional

| ACidadeON/Ribeirao

Novos tempos: para Sendy Cristani, diretora de marketing e operações do COPA Network, com sede em São Paulo e Brasília, a geração atual valoriza o formato (Foto: Divulgação Copa Network)
Com as novas relações de trabalho, o conceito de espaços compartilhados está cada vez mais se difundido pelo mundo corporativo e seu visual e configuração vem ganhando moldes cada vez mais arrojados. 

Esses espaços não estão restritos a um local para se trabalhar e têm como vantagens, além do custo mais acessível (leia mais nesta página), a convivência diária dos mais diferentes perfis de profissionais, o que estimula troca de experiências.  

Alguns espaços de coworking têm modelo focado no network [rede de trabalho numa tradução literal], com tecnologias de ponta que integram os usuários, projetos arquitetônicos que promovam essas relações entre os profissionais e eventos de capacitação e aproximação de empresas - pontos que ajudam a alavancar negócios.   

"Temos parte de descompressão, espaço de café centralizado para as pessoas conversarem e interagirem e promovemos eventos internos", cita Sendy Cristani, diretora de marketing e operações do COPA Network, com sede em São Paulo e Brasília.  

Esses fatores permitem muitas possibilidades para quem está começando como Empreendedor Individual. "O home officce nem sempre funciona em termos de produtividade. O fato de se estar em um ambiente corporativo já melhora o desempenho, além de ter espaços bem equipados, como uma sala de reuniões, que vão impactar o cliente e dar credibilidade", ressalta Sendy.  

Para a diretora de marketing, mais do que novas relações de trabalho, a geração atual de profissionais valoriza o coworking. "Se se pensar no público mais novo, ele é altamente empreendedor, gosta de mais liberdade de trabalho e de espaços flexíveis", diz.
 
Ao pé da letra 
  
Coworking é um modelo de trabalho que se baseia no compartilhamento de espaço e em recursos de escritório.  

(Foto: Divulgação Copa Network)

Conectividade é a palavra-chave 

Naomi Rodrigues, psicóloga e consultora em coworking, defende que o mais interessante é a conectividade que esses espaços proporcionam.   

"No coworking tem um gestor da comunidade, que trabalha o público que está usando o espaço independente do setor, promovendo a conexão dos profissionais", comenta ela, que prestou consultoria no Corp Working, em Ribeirão. 

Para Naomi, o coworking é um ambiente muito importante para o empreendedor, que permite o crescimento da empresa, "através da troca de relacionamento e de experiências e a economia de uma sala compartilhada, que possibilita o uso fracionado de acordo com a necessidade e etapa empresarial que a pessoa se encontra."   

Daí, segundo ela, a importância de apoio aos profissionais, com a promoção de consultoria e mentorias mais individualizadas, com cursos ou palestras.   

Mesmo quem ainda não tem faturamento para uso diário pode utilizar o endereço comercial para estabelecer negócios e usar apenas a sala de reunião ou espaço de evento para atender clientes. "Vai adequando o uso de acordo com o crescimento
do negócio", diz.  

(Foto: Divulgação Copa Network)

Pontos essenciais  

Flexibilidade deve nortear o projeto arquitetônico do coworking 

Na hora de fazer o projeto decorativo e layout do coworking, deve-se ter como prioridade a flexibilidade. "O fluxo de pessoas e usos diversos que acontecem em um espaço de coworking indicam essa prioridade no projeto", comenta o arquiteto José Calijuri Hamra, co-fundador do Wikilab Coworking. 

Ele destaca que a infraestrutura e o mobiliário devem estar aptos a serem transformados de maneira rápida e simples, para usos diferentes que podem ocorrer em uma mesma tarde.   

"Eletrocalhas, infraestrutura aparente e mobiliário adaptável são soluções que facilitam essa dinâmica", cita.

- Os espaços disponíveis em um coworking podem variar, mas a maioria possui auditório, sala de reuniões, estações de trabalho, salas privativas, cozinha equipada, pátios internos e jardim de descompressão. 

- A alma de um coworking é a integração entre os membros, que normalmente acontece no café. Prepare um ambiente agradável para esse momento.  

- Nas áreas de longa permanência, uma paleta de cores suave ajuda a manter a calma. Lembre-se que os coworkers estarão nesse ambiente durante muitas horas por dia.
 
- Plantas são fundamentais, amenizam o stress e criam uma atmosfera mais humanizada no espaço.  

- Pense em áreas de descompressão e espaços ao ar livre, para que os coworkers consigam mudar de ambiente dentro do próprio espaço.  

- Nos espaços para eventos, pense em toda a infraestrutura de som, imagem, mobiliário e área de recepção e coffee break.  

- Mobiliários ergonômicos e confortáveis fazem a diferença em todos os ambientes.  
 
- Cada coworking desenvolve uma dinâmica própria dos coworkers com o espaço, esteja atenta ao dia-a-dia para fazer pequenas alterações e melhorias. 

(Foto: Divulgação Copa Network)
Economia consolida formato 

Usado por empresas e profissionais autônomos que buscam escritórios estruturados e bem elaborados a custo acessível, o coworking movimentou R$ 82 milhões nos últimos cinco anos, segundo dados do Censo Coworking Brasil 2017, deixando de ser apenas uma tendência no Brasil e tornando-se realidade.

"Pode parecer que não, mas ainda é um assunto recente. De 2014 para cá ficou muito forte e depois, com a crise imobiliária, várias empresas do mesmo ramo de atividade se aproveitaram desse momento para fazer boas negociações em imóveis, que aqueceram o mercado", comenta Sendy, do COPA Network.

Com a busca pela elasticidade, tão marcante entre as empresas, o coworking surge como solução para atender de uma a cem pessoas/funcionários.

"A pessoa paga somente sobre o que ela usar no espaço, sem surpresas nas contas no final do mês e sem vínculos de contratos longos. Ainda conta com uma melhor estrutura, que envolveria um investimento muito alto por parte do empreendedor. No dia a dia, temos desde uma única pessoa que está desenvolvendo uma startup, empresas de cinco pessoas na operação ou de vários colaboradores. Além das maiores e até multinacionais que utilizam o espaço para eventos", explica Sendy.

Segundo ela, a economia de se trabalhar em um coworking em relação à um escritório próprio e individual chega a 30%.  

(Foto: Hugo Battaglion)

Jornalista destaca custo acessível e convivência 

A jornalista Francine Micheli montou um espaço compartilhado de trabalho em 2015: A Casinha, na Vila Toscana, em Ribeirão Preto (foto à esquerda).  

"Estava à procura de uma opção mais em conta. Como sou autônoma, não fazia sentido alugar um escritório só pra mim e arcar com mil contas. Para mim é óbvio dividir o espaço com outros profissionais, quando se tem a oportunidade de compartilhamento", comenta.  

Para Francine, o coworking é uma realidade, mas falta consciência ainda de que são possíveis novos modelos de trabalho, com novas configurações. "Não tem sentido a quantidade de dinheiro que geralmente se gasta, sem necessidade, em um escritório particular. É muito mais simples do que se pensa", opina.  


Embora não se trata de uma empresa que lucra com o subaluguel de espaços corporativos, Francine afirma que pode ser considerado um coworking.  

"Somos profissionais autônomos que acreditam na economia colaborativa, em dividir contas, responsabilidades... e apreciamos a companhia uns dos outros", explica. Para a jornalista, é difícil pensar de forma um pouco mais coletiva quando se é ensinado o tempo todo a pensar de maneira individual.  

"É uma quebra de paradigmas", considera a coworker. E o que representa para ela o dia a dia em um espaço profissional compartilhado? "Liberdade é a palavra", responde.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários