Publicidade

cotidiano

Após incêndio e multa, UFSCar cria comitê de emergência para áreas atingidas

Universidade anuncia nova estrutura para evitar que situação se repita e reitera os riscos envolvidos para pessoas que passam pelo local

| ACidadeON/São Carlos -

Incêndio atingiu vegetação na UFSCar no domingo. Foto: Divulgação
Depois de incêndio que consumiu mais de 142 hectares de vegetação e autuação de R$ 448 mil, a UFSCar anunciou nesta quarta-feira (8) a criação de um comitê gestor emergencial para coordenar investigação e evitar que a situação se repita. 

A decisão foi tomada em reunião com representantes de diferentes unidades administrativas da universidade. A iniciativa da reitoria, que irá presidir o comitê.

Segundo a instituição, o órgão irá "coordenar os esforços relacionados à avaliação de impacto e aos encaminhamentos necessários envolvendo a ocorrência dos últimos dias, inclusive investigação da causa do fogo; elaborar e encaminhar ações para manejo da área atingida pelo fogo; e articula as ações necessárias em médio e longo prazos para ampliação das estratégias de prevenção".

A estrutura emergencial terá representantes da própria reitoria, prefeitura universitária, diversas áreas administrativas e ainda do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), pela sua proximidade com a região atingida.

"Sua atuação deverá, inclusive, acelerar projetos, estruturas e ações que já vinham sendo construídas ou estavam em andamento na universidade, como o Protocolo de Uso e Manejo das Áreas Naturais da UFSCar construído por grupo de trabalho criado em 2018", afirma a nota.

A UFSCar ainda afirmou que o comitê deve buscar auxílio de outras instituições de São Carlos e região, e ainda do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), "no âmbito, por exemplo, do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo)".

Quase meio milhão em multa
Multada em R$ 448 mil pela Polícia Militar Ambiental por irregularidades na manutenção dos aceiros (área aberta que evita a propagação do fogo), além do não atendimento de instruções técnicas referentes à capacitação de uma brigada de incêndio, a instituição se absteve em comentar sobre a autuação.
"A UFSCar informa que não foi formalmente notificada até o momento e, portanto, ainda não deve se manifestar".

"No entanto, do que conhecemos informalmente, é importante já esclarecer que os aceiros existentes na área atingida estavam com a sua manutenção em dia, como inclusive atestado em vistoria recente na área por órgão competente, e outras medidas apontadas como falhas (segundo as notícias) também já estavam em andamento", responde.

Todavia, a UFSCar reconhece que outras medidas apontadas "não puderam ser concluídas antes do incêndio, devido às exigências de processos licitatórios e/ou restrições orçamentárias, dentre outras".

"Assim que receber a notificação, a UFSCar iniciará o diálogo com os órgãos competentes para sua defesa e encaminhamentos necessários", completa.

Área de risco
A nota ainda reafirmou os riscos envolvidos na presença de pessoas nas áreas atingidas pelo fogo, que "ameaçam inclusive a vida humana, frente à grande quantidade de eucaliptos que estão caindo por causa da queimada".

"Apesar dos alertas já feitos, há uma quantidade razoável de pessoas desrespeitando as barreiras ao acesso, inclusive com uso de buracos em cercas de proteção".

Por fim, a universidade pediu "responsabilidade" Assim, pedimos responsabilidade, bom senso e, também, solidariedade a todas as pessoas, para que nos ajudem nesse esforço de proteger, concomitantemente, a vida das pessoas e o patrimônio natural pelo qual somos responsáveis.

Mais notícias


Publicidade