Publicidade

cotidiano

Obra para prevenir enchente pode ficar pronta após o período de chuvas

Piscinão para conter enxurrada na Lagoa Serena teve o edital lançado e deve custar R$ 4,4 milhões aos cofres municipais

| ACidadeON/São Carlos -

Moradores do Lagoa Serena filmaram enxurrada com barro no local, na última enchente. Foto: Divulgação
Uma importante obra para reduzir os riscos de enchentes no bairro Lagoa Serena e na baixada do Mercado, em São Carlos (SP), teve a concorrência lançada pela Prefeitura neste mês. O piscinão da rua Itália terá capacidade de 35 mil metros cúbicos de águas da chuva, mas pode ficar pronto somente depois do verão.

A obra está orçada em R$ 4,4 milhões e será bancada integralmente com recursos municipais. A estrutura ficará em área paralela à ferrovia da Rumo Logística em terreno da faixa de domínio da concessionária. A previsão é que fique pronta 180 dias depois da assinatura do contrato.

O lago artificial servirá para armazenar a água das chuvas durante fortes temporais, com liberação paulatina diminuindo os riscos de enxurradas e enchentes na Lagoa Serena e também na baixada do Mercado Municipal, segundo João Batista Muller, secretário de Obras Públicas.

"O objetivo é fazer a captação de água desde a Vila Pelicano, perto do Senai, entre as travessas 1 e 8 e retê-la por um tempo para que ela não chegue tão rápido na região de baixada", explica.

Para coletar a água na Vila Pelicano e levá-la para o piscinão, o croqui apresentado pela Prefeitura em edital prevê a construção de bocas de lobo nas vias do bairro. O projeto prevê, ainda, demolição de barracão.

A obra faz parte do pacote antienchente lançado pela Prefeitura neste ano e que abrange intervenções em distintos pontos da cidade. Entre outras intervenções, há a construção de piscinão no CDHU.

Edital tardio
O lançamento do edital para a construção do novo piscinão chega a dois meses de completar um ano da enchente que causou prejuízo aos lojistas e moradores da região da baixada do Mercado Municipal e da Lagoa Serena.

Segundo o secretário, a demora na liberação do edital para a construção da lagoa de detenção é por conta da burocracia federal. Qualquer intervenção na área de domínio da ferrovia precisa ser autorizada previamente pela Secretaria do Patrimônio da União (SPU).

"Passamos 100 dias discutindo com o governo federal para poder liberar a obra. Depois da autorização precisamos obter os recursos e o valor não é pequeno. Deixamos de aplicar em outras áreas para poder usar nesta obra, que é de tamanha importância para o combate às enchentes", declara.

Mais notícias


Publicidade