Publicidade

cotidiano

Estudantes são prejudicados pela falta de professores em São Carlos

Segundo a prefeitura, seis professores estão afastados, mas as causas não foram especificadas

| ACidadeON/São Carlos -

(Foto: Divulgação)
Estudantes de escolas municipais de ensino fundamental de São Carlos estão sem aulas por falta de professores. Em uma sala de 1º ano da Emeb Carmine Botta, por exemplo, a aula está suspensa desde 5 de abril, data em que a professora se aposentou.

A falta dos profissionais tem causado muitas falhas no calendário escolar dos alunos. Esse é o caso da filha da doméstica Jeniffer de Souza, que começou a estudar no início do ano na Emeb Dalila Galli e só conheceu a professora substituta até agora e teve várias aulas canceladas. "Eles ligam de noite e falam que não vai ter aula no outro dia e a gente tem que se virar", disse.

Segundo a prefeitura, também estão faltando dois professores na Emeb Dalila Galli, no bairro Jockey Clube, que estão com pedido de contratação, e outros três professores, sendo dois de matemática e um de artes, em outras escolas que não foram especificadas.

A administração também reconheceu o problema e apontou um grande número de faltas dos profissionais, mas não explicou por que isso acontece. Em relação à Carmine Botta, a prefeitura informou que um profissional deve começar a dar aulas na segunda-feira.

Concursados esperando
Por outro lado, a cidade tem uma série de profissionais que passaram no concurso público da prefeitura e aguardam serem chamados. "Até agora eu estou aguardando a efetivação, a gente acompanha e sabe que tem a demanda, tem as salas, a rede municipal de São Carlos está um caos pela falta de professores da educação infantil e fundamental. Tá precisando de professores e a prefeitura não contrata", afirmou a professora Viviane Teodoro que 2019, passou num concurso para trabalhar com educação infantil.

De acordo com ela, no edital do concurso há uma cláusula que permite que o professor aprovado seja chamado, mesmo que temporariamente, em caso de necessidade.

A prefeitura alega que os profissionais aprovados no concurso estão sendo chamados de acordo com a demanda e que, quando há necessidade, eles também são convocados para cobrir licenças com período acima de 30 dias.

Mais notícias


Publicidade