Publicidade

cotidiano

Prefeitura afasta médico que não cumpria horário em USF

Um processo disciplinar está aberto para apurar a conduta do servidor, afirmou a administração; denúncia foi feita na última terça

| ACidadeON/São Carlos -

Médico foi denunciado por não cumprir carga horária em USF. (Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil)
A Prefeitura de São Carlos anunciou no final da tarde de hoje (6) o afastamento do médico denunciado por não cumprir carga horária na Unidade de Saúde da Família (USF) do Jardim Munique. Um processo disciplinar está aberto para apurar a conduta do servidor, que terá prejuízo nos vencimentos durante o período.

O servidor é médico de saúde da família, com salário base de mais de R$18 mil. O horário de trabalho do servidor pelo contrato com o município é das 7h às 15h30, com meia hora de intervalo para almoço, porém na última terça-feira (3), após denúncias, foi constatado que o profissional deixou o posto de trabalho na USF do Munique às 10h para cumprir plantão em uma clínica privada.

O vereador Ubirajara Teixeira (Bira) foi quem recebeu a denúncia e chamou a Comissão de Saúde da Câmara Municipal para verificar se realmente o profissional estava agindo em prejuízo aos usuários do SUS. 

"Chegamos na USF por volta das 10h e realmente ele já havia saído sem justificativa e recebemos a informação que ele poderia estar atendendo na rede particular. Fomos a uma cooperativa médica e realmente comprovamos que ele estava cumprindo plantão neste local, no horário em que deveria estar atendendo pacientes do SUS", explicou o vereador Bira.
O parlamentar disse, ainda, que fez um registro de ocorrência (RO) na Guarda Municipal no dia em que foi até a USF e que, depois, também fez um boletim de ocorrência (BO) na Polícia Civil.

"Acho justo esse afastamento com prejuízo nos vencimentos e agradeço ao prefeito Airton Garcia pela agilidade na decisão. As pessoas pagam impostos e têm direito ao atendimento. Não é justo uma pessoa que precisa passar por uma consulta ficar esperando e simplesmente o profissional, que recebe em dia, abandonar o posto de trabalho", finaliza o vereador.
Segundo o secretário de Gestão de Pessoas, Dante Nonato, foi solicitado o afastamento do médico por 30 dias a partir desta sexta-feira e aberto um processo administrativo disciplinar.

"Já encaminhamos o processo para a Corregedoria para as providências cabíveis", disse Nonato, lembrando que o processo corre em sigilo.

Mais notícias


Publicidade