Publicidade

cotidiano

Estudantes de São Carlos vencem projeto da USP com app de saúde mental

Adrielly e Rebeca criaram um programa para que jovens possam se expressar e desabafar; agora elas vão participar da etapa internacional

| ACidadeON/São Carlos -

Estudantes Adrielly e Rebeca. Foto: Reprodução/EPTV

Duas estudantes de São Carlos se juntaram com alunas de outras cidades ficaram em primeiro lugar no projeto Technovation Summer School For Girls, da Universidade de São Paulo (USP), com a criação de um aplicativo para ajudar adolescentes em relação à saúde mental.

O programa feito em cerca de três meses foi intitulado "Sawabona", cumprimento de uma tribo africana que significa "Eu te respeito, eu te respeito, eu te valorizo, você é importante para mim".

O objetivo é ser um companheiro para os jovens que estão passando por momentos difíceis. "Na pandemia a gente teve um aumento muito grande de casos de suicídio, principalmente, e também dos jovens que enfrentam problema com a saúde mental, então a gente achou algo muito importante de ser tratado, ainda mais que é algo que acontece com a nossa própria faixa etária", disse Adrielly Inocêncio.

No app, o jovem pode falar sobre seus sentimentos, dizer como está seu humor e até desabafar, mas não se trata só de um passatempo. As estudantes Adrielly e Rebeca de Oliveira também pensaram em um espaço para oferecer consultas com psicólogos.

"Eles também vão ter acesso a alguns conteúdos que os profissionais vão disponibilizar nesse aplicativo, então vídeos falando sobre ansiedade, depressão, alguma coisa assim, e também quem sabe oferecer ali para marcar uma consulta, algo nesse sentido", explicou Rebeca.

A estudante Catarina Scabello é de Guarulhos e também faz parte da equipe vencedora. "Tem o objetivo de ajudar os jovens fornecendo um suporte para saúde mental por meio de um ambiente inteiramente pensado para que eles se sentissem escutados, acolhidos e seguros", disse.

Além de ajudar os jovens, as estudantes também acreditam que podem vencer preconceitos envolvendo a tecnologia. "Esses projetos são feitos para mostrar que as mulheres tem tanta capacidade quanto os homens, e que a gente não está tentando ser superior, a gente quer se igualar na sociedade e ajudando o próximo", comentou Adrielly. 

Aplicativo criado por estudantes de São Carlos. Foto: Reprodução/EPTV
Sobre o programa
Além do aplicativo das meninas, mais onze projetos participaram da competição organizada pela USP, que contou com 70 garotas de todo o país. O objetivo é estimular a participação feminina no mundo da tecnologia. Para a professora do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC-USP), Kalinka Castelo Branco, é importante incentivar o ingresso das meninas nessa área.

"Na verdade, como a gente tem poucas mulheres atualmente na área de tecnologia, na área de exatas, é muito importante projetos desse tipo que permitam as meninas vivenciarem a tecnologia e fazerem uso de todo esse arsenal, empoderando-as de modo que elas possa entender que elas conseguem não só fazer o uso da tecnologia, mas também desenvolvê-la. Elas podem, elas fazem bonito e elas têm competência para fazer aquilo que quiserem", explicou.

As estudantes ganharam um tablete e um curso de computação e agora vão disputar a etapa internacional da competição. 

*Com informações da EPTV Central.

Publicidade