Publicidade

cotidiano

Administração de fazenda pede venda de parte do rebanho de búfalas em Brotas

A nova discussão do caso entre a ONG e os proprietários gira em torno do custeio dos mais de 1 mil animais

| ACidadeON/São Carlos -

 

Fazenda pede venda de búfalas em Brotas. (Foto: Thainá Araújo/ACidade ON São Carlos)
A administração da Fazenda Água Sumida, em Brotas, entrou com um pedido judicial para retomar a tutela sobre o rebanho de búfalas e vender parte dos animais. 

Os proprietários da fazenda alegam que, para sustentar as mais de 1 mil búfalas, é necessário vender a parte do rebanho que se encontra em melhores condições de saúde para arrecadar recursos capazes de manter o restante dos animais. 

Segundo os proprietários, a venda dos animais se enquadra na política de pecuária sustentável, em que os bezerros desmamados e as búfalas adultas que apresentam um bom "score corporal", ou seja, que estão sadias, devem ser vendidos para o abate e para a produção de leite. 

A administração da fazenda apresenta como premissa, ainda, a questão de que é inviável a manutenção de tantos animais, principalmente aqueles que ainda se encontram debilitados e fracos, sem a prática da pecuária sustentável.  

VEJA TAMBÉM   

Acusado de maus-tratos contra mais de mil búfalas, fazendeiro de Brotas é preso   

Propriedade de 69 hectares é multada em R$ 483 mil por degradação ambiental 

A ONG Ara, responsável pela tutela dos animais há mais de 7 meses, contra argumenta que tem sustentado as búfalas com recursos provenientes de doações e não dos donos da fazenda e que muitos animais ainda necessitam de cuidados e que, portanto, não podem ser vendidos. 

Além disso, a ONG se auto afirma como adepta do veganismo, reprimindo veementemente a venda de animais para sustentar a indústria de carne e de produção de laticínios. 

De acordo com a advogada da ONG, Antilia da Monteira Reis, a instituição firmou uma parceria com cerca de 3 mil padrinhos que se comprometeram com a doação de R$ 50 reais por búfala durante o período de um ano. 

Dessa forma, o dinheiro arrecadado seria suficiente para manter o rebanho sem, no entanto, ter de submetê-lo ao abate.

Entenda o caso 

A polêmica data de novembro de 2021, quando os cerca de 1 mil animais foram encontrados em situação de abandono e maus-tratos, sendo que vários já estavam mortos e enterrados em valas na fazenda. 

A denúncia chegou à Polícia Ambiental que multou o proprietário da fazenda por diversas vezes. O caso foi à julgamento e resultou na prisão de Luiz Augusto Pinheiro de Souza pela segunda vez em janeiro deste ano.

O caso ganhou grande repercussão no cenário nacional e na internet, mobilizando apoiadores da causa animal e do veganismo, incluindo celebridades como Xuxa Meneghel, Luísa Mell e Luana Piovani.  
 
LEIA MAIS 
 
São Carlos tem mais dois óbitos e 513 novos casos de Covid-19 
 
UFSCar realiza evento online para discutir a violência no Brasil

Publicidade